Prosas Poéticas : 

era para ser uma carta de desamor

 
Tags:  campos de edredão  
 
perdemo.nos, os dois
tu, nos teus despojos de guerra
eu, nas conquistas que não vivi.

de equinócio em equinócio e cantatas
atravessados por sombras e brilhos das personagens
o filme sempre foi o mesmo
mudo e a preto e branco
e de cor só nos solstícios
ou então sempre fomos cegos
nunca estivemos aqui.

perdemo.nos, os dois
tu, naquela música decessa
como uma espécie de resignação repetida
eu, em pontas dos dedos perdia os dias pelas mãos.

as minhas mãos não são o que falam de ti
garante minha voz
sim, ninguém fala sozinho a
menos que se perca a noção
eu perdi.

andei séculos a tentar convercer.me do contrário
desci a pique o elevador da "glória"
até encontrar.me no limbo.

e no fim, nenhuma voz
nenhum silêncio
apenas dois corpos sentados a trocarem um sorriso
ao terceirp copo de um tinto reserva
e palavras póstumas.

HC
MMXXII
in " campos de edredâo"

























" An ye harm none, do what ye will "

 
Autor
HorrorisCausa
 
Texto
Data
Leituras
503
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
28 pontos
8
2
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 18/03/2023 11:37  Atualizado: 20/03/2023 09:37
 Re: era para ser uma carta de desamor






Perdi os dias da boca pra fora
Nos teus despojos de guerra,
E o sol ardia em promessas,

Com lábios mudos dizia tudo,
Pela simples mutilação calada
Do que falo sem dizer-mágoa,

Digo ameias sinto o peso das
Palavras como fossem pedras
Sujas feias lavadas nas veias





Enviado por Tópico
Conceição Bernardino
Publicado: 20/03/2023 01:34  Atualizado: 20/03/2023 01:34
Usuário desde: 22/08/2009
Localidade: Porto
Mensagens: 3357
 Re: era para ser uma carta de desamor
Voltar...
Ler-te é inalar a primavera.

Beijo
CB




Enviado por Tópico
Sergius Dizioli
Publicado: 20/03/2023 16:24  Atualizado: 20/03/2023 16:24
Administrador
Usuário desde: 14/08/2018
Localidade: काठमाडौं (Nepal)
Mensagens: 2221
 Re: Como se define uma poesia...
Devo confessar que do primeiro poema que li de ti, não posso afirmar que gostei. Talvez, sem conhecer tua história por aqui, apressei-me a julgar que tínhamos de volta algum daqueles que são a razão de eu estar nesta posição.
Mas com minha persistência taurina, foi buscar mais de ti e descubro que na verdade aquele primeiro que li, em verdade, não te faz jus.
Agora leio este e, a cada linha, meu coração se emociona e minha razão se extasia: a emoção da história se alia à beleza das palavras e construção.
Pois então só o que tive que fazer foi favoritá-lo para ler sempre que tiver que explicar a alguém o que é inspiração. Saudações.