Poemas : 

O rosto que aconteceu

 
Há quanto tempo não via o teu rosto
a sua perfeição,
os teus olhos de perdição
os lábios de mosto
o nariz imponente
decidido
o cabelo indomável a um vento eterno que o fustiga
as rugas que são regos de água,
as orelhas como labirintos de grutas
a expressão de coragem contagiante.
Só agora te vi.
Não foste tu mas eu que nasci
da cegueira dos dias contados.
Morro sem ver tanta coisa.
Mas morro vendo realmente o meu amor.
Vi um rosto. Intensa singularidade que me justifica.





 
Autor
gillesdeferre
 
Texto
Data
Leituras
87
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
24 pontos
2
3
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 08/07/2024 00:13  Atualizado: 08/07/2024 00:13
Membro de honra
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 18440
 Re: O rosto que aconteceu
Me pareceu esculpido com primazia. Bjs