Poemas : 

No teu rosto começa a madrugada

 
«No teu rosto começa a madrugada»,
devagarinho, sorrateira, vem.
Despida e em silêncio enamorada,
stórias d’amor contando, ó meu bem.

E quando se abre a lua ao meu sol,
e somos faces de uma só moeda,
freme-me o corpo ao sentir teu crisol,
cessam-me as penas nessa tarde leda.

Sempre que à noitinha p’ra casa vais
me sinto logo nua sem teu calor,
triste de mágoas e de ansiedade;

sei bem, p’la dor que vem com nossos ais,
que somos nós uma campina em flor;
do coração, cresce-nos a saudade!

Filipa de Taveirós

(Nota de autor: o primeiro verso é de Eugénio de Andrade. Fui desafiada a fazer um soneto a partir desse primeiro verso, que "foi dado"...)

 
Autor
filipadetaveiros
 
Texto
Data
Leituras
103
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
7
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
AlexandreCosta
Publicado: 08/07/2024 20:59  Atualizado: 08/07/2024 21:03
Da casa!
Usuário desde: 06/05/2024
Localidade: Braga
Mensagens: 208
 Re: No teu rosto começa a madrugada
Calor e luz trazem aconchego...
Já as noites, mesmo as quentes, acentuam o f(r)io da saudade...
Bonito soneto de entrada no LP :)




Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 09/07/2024 01:57  Atualizado: 09/07/2024 01:57
Membro de honra
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 18440
 Re: No teu rosto começa a madrugada
Muito bem conseguido. Gostei de todas as nuances e entrelinhas. Bjs