Poemas : 

Carta (O barquinho vai)

 
Tenho nas mãos tua carta (e a surpresa que a tenhas escrito)
Olho-a tristemente e lembro muitas histórias do meu passado
Sei que não vês, que não sentes a emoção, nunca a sentistes
Devo confessar que não a abri, tampouco não prometo abrir
Espero estejas bem na tua ausência que nunca fora só física
Sei que o inverno por fim chegou até ti e assim te faz sofrer
Mesmo não desejando teu mal, todavia, isso não me importa
Como naqueles dias importava, demais até, cada suspiro teu
Ah a paixão, essa mania dos tolos e dos poetas (e sou ambos)
Olho para trás e observo as dunas que se elevaram entre nós
Desérticas, intransponíveis quais as tuas frívolas promessas
Eivadas de palavras polidas na forma, quão vãs no conteúdo
É hora de olvidar as aventuras, os sorrisos de cada chegada
Assim como foram ao oblívio, as lágrimas de tantas partidas
O que afinal poderias ter escrito que eu já não tenha te dito
E tenhas solenemente ignorado ou, quando não, contrariado
Não vou negar que há memórias inenarravelmente doloridas
Aquelas de nós qual amantes, de nossos corpos extenuados
Mas as sugestões dos amigos, te cegaram mudando os fatos
Para vê-los qual quisestes: da pior forma que se o possa ver
Eis que à carta que me destinas, cabe outro destino melhor
Seguir a corrente que a chuva da tarde formou no meio fio
Em esmerada dobradura à qual aceno o adeus que não deste



"Somos apenas duas almas perdidas/Nadando n'um aquário ano após ano/Correndo sobre o mesmo velho chão/E o que nós encontramos? Só os mesmos velhos medos" (Gilmour/Waters)


 
Autor
Sergius Dizioli
 
Texto
Data
Leituras
93
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
4
3
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ZeSilveiraDoBrasil
Publicado: 09/07/2024 12:46  Atualizado: 09/07/2024 12:46
Administrador
Usuário desde: 22/11/2018
Localidade: RIO - Brasil
Mensagens: 2063
 Re: Carta (O barquinho vai)
.
.
.
...lendo, e, ao mesmo tempo o imaginário como um drone, voou por sobre as imagens que foram se formando: a carta em leitura solitária, lareira sonolenta, lembranças dançando no crepitar do fogo, uma garrafa vazia, meia taça de vinho - nó na garganta/olhos salobros...

Viajei!!!

Meu abraço caRIOca!

Prazer tê-lo aqui!


Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 12/07/2024 01:21  Atualizado: 12/07/2024 01:21
Membro de honra
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 18440
 Re: Carta (O barquinho vai)
Gostei de tudo. Amo cartas. Achei inesperado devolver ao remetente todas as agruras. Queria mesmo é conversar com sua carta poema. Bjs