Acrósticos : 

"Porque Existo"

 
Completamente evasivo,
Este é um corpo
Que se move transparente
Nas Linhas incorrectas
De um horizonte padecido.

A face que chora,
Se envergonha de não ser ninguém,
Procura o sorriso apetecido
Algures, um qualquer lugar,
Medo que se perdeu.

Silêncio da noite, ecoam melodias,
Rituais de cegueira e fogo
Alimentam na madrugada
Pedaços de destino,
A comprometer a aurora enfeitiçada.

Quem me quis mal?

Anjos de luz,
Anjos negros,
Confrontam-se, desvendam segredos.

No culminar deste mundo
Vão-se significados de quem sou,
Dos meus medos.

Na voz amargurada da tristeza,
Cantam o meu nome,
Num silêncio confuso
Que é o meu vazio.

Ser Poeta...

Colocar em qualquer pedra inanimada um movimento,
Clarear o sombreado das nuvens,
Libertar as águas da chuva,
Dar luz a esta vida
Comovida com a ausência de um momento.

Neste pedaço de mundo
Desabam sobre mim,
Palavras que soltei,
Da vida que vivi,
Do significado que sou.

Paulo Themudo

 
Autor
Paulo Themudo
 
Texto
Data
Leituras
809
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.