https://www.poetris.com/
 
Contos -> Terror : 

Seral killer

 
Tags:  sangue  
 
Sacio a minha sede, é vermelha!Nunca para,é um vicio contolado, descontrolado por mim.No meu lado mais negro, sinto-me vivo, o animal fala mais alto, onde a hieraquia, a lei e a ordem é inferior ao instinto!
Anterior ao momento fatal, vejo a escolhida, peço perdão a Deus por destruir uma perfeita obra-prima.Feita a partir das joias do Inferno, dos restosda da condição humana, de sonhos sem rumo e nem objectivos a seguir.
Sou mais justo que a moral, o juiz dos pecadores, o despertar da madrugada.
O sangue faz-me ser, torna-me mais puro em irmãos de sangue. A morte é minha amante, a minha paixão, a tua paixão em sucombires, juntos no teu arrependimento, juntos na morte.Cada pedaço de mal, apago-os do mundo, recortando-os do corpo da minha viíma como uma crinça que desfaz um puzzle.
Os meus fantasmas estão sempre comigo, tornam-me mais humano, consequentemente, mais insano.
é por isso que choro lágimas finjidas ao estilo \"civilização\".
O meu sangue é tão negro como a noite, tão claro como o dia. Passo pela multidão comp um fantasma, indiferente á multidão, que aparece quando necessário para eliminar o mal emergente.
Sou como um abutre que só procura alimento nos jámortos espiritualmente e sirvo deus como súbdito, basta imaginarem-me como um templário.

 
Autor
deep felling
 
Texto
Data
Leituras
965
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.