https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Tristeza : 

Dedo Amarelo

 
Dedo Amarelo
 
Um dedo
amarelo
na ponta
um cigarro
sentado
na mesa
com um copo
ao lado.

O velho
das barbas
quem
o viu passar
a cambalear

Amigo
das crianças
que não
o podem ver,
tem um
sorriso triste
e abandonado.

Vive da reforma
por um
trabalho suado
nos tostões
que vê
no remédio
ao lado.

Vem ai
o inverno
lá vai
um copinho
e um
mata ratos
para aquecer
o corpinho.

No chão
o colchão
é um
papelão,
onde dormem
os sonhos
e a ilusão
que já viu
apagar.


Cristina Pinheiro Moita /Mim/

 
Autor
mim
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1660
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
19 pontos
19
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
VónyFerreira
Publicado: 12/10/2008 15:41  Atualizado: 12/10/2008 15:41
Membro de honra
Usuário desde: 14/05/2008
Localidade: Leiria
Mensagens: 9702
 Re: Dedo Amarelo
A pobreza instalada na vida real e principalmente no coração dos homens.
Gostei deste seu poema. São temas destes que me comovem. Sempre...
Bj
Vóny Ferreira


Enviado por Tópico
Henrique Pedro
Publicado: 12/10/2008 15:46  Atualizado: 12/10/2008 15:46
Colaborador
Usuário desde: 28/07/2007
Localidade:
Mensagens: 3821
 Re: Dedo Amarelo
Poema muito lindo e enternecedor. Infelizmente muiats são as criaturas de Deus que vivem na mais completa miséria. Beijinho.


Enviado por Tópico
Tânia Mara Camargo
Publicado: 12/10/2008 18:00  Atualizado: 12/10/2008 18:00
Colaborador
Usuário desde: 11/09/2007
Localidade:
Mensagens: 4263
 Re: Dedo Amarelo
Muito triste a realidade de alguns,
são as injustiças sociais que muito
tocam no coração da gente.
Parabéns! Beijos!


Enviado por Tópico
Gothicum
Publicado: 12/10/2008 22:12  Atualizado: 12/10/2008 22:12
Da casa!
Usuário desde: 21/09/2008
Localidade: Galáxia de Andrômeda
Mensagens: 427
 Re: Dedo Amarelo
Retratou bem o mundo onde vivemos. Quando será o homem grande o sufuciente para que ninguém tenha de escrever poemas lindos e tristes como este?


Enviado por Tópico
cleo
Publicado: 12/10/2008 22:47  Atualizado: 12/10/2008 22:47
Luso de Ouro
Usuário desde: 02/03/2007
Localidade: Queluz
Mensagens: 3857
 Re: Dedo Amarelo
Uma visão de algo bem real, do triste fado de tantos idosos (e não só)com que nos deparamos todos os dias, só não o vê quem não quer olhar...

"No chão
o colchão
é um
papelão,
onde dormem
os sonhos
e a ilusão
que já viu
apagar."

Este pedacinho final está poeticamente belo!

Beijo


Enviado por Tópico
António MR Martins
Publicado: 13/10/2008 13:37  Atualizado: 13/10/2008 13:37
Colaborador
Usuário desde: 22/09/2008
Localidade: Ansião
Mensagens: 5064
 Re: Dedo Amarelo
É o destino de muitas vidas...o dormir num colchão de perdidos sonhos e de desvanecidas ilusões...
Vamos meditar...
Belíssimo poema.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 13/10/2008 13:45  Atualizado: 13/10/2008 13:45
 Re: Dedo Amarelo
a velhice a dormir nesta condição; uma necessidade. o acordar nela; uma incógnita. o poema aponta para esta triste realidade social.

um beijo, fraterno abraço Poetisa.
Silveira


Enviado por Tópico
gil de olive
Publicado: 13/10/2008 15:53  Atualizado: 13/10/2008 15:53
Colaborador
Usuário desde: 03/11/2007
Localidade: Campos do Jordão SP BR
Mensagens: 5046
 Re: Dedo Amarelo
Merece aplausos pela postagem desse texto!O que mais gostei, entre tantos que lí!


Enviado por Tópico
Nanda
Publicado: 14/10/2008 21:51  Atualizado: 14/10/2008 21:51
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2007
Localidade: Setúbal
Mensagens: 11186
 Re: Dedo Amarelo
Mimzinha,
Com quanta ternura eternizas aqui a vida de um velho sem abrigo.
Linda homenagem
Beijinho
Nanda


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 24/10/2008 13:25  Atualizado: 24/10/2008 13:25
 Re: Dedo Amarelo
"e há pessoas sãs, com um lar, parentes e amigos
que reclamam da vida"

"e são esses, desnotados pela sociedade que nos
entristecem... talvez tenhamos nossa culpa...
mas o que faremos?... tudo é cômodo para nós...

Ainda bem que teu inconformismo veio à tona
de forma brilhante, honesta, poética.

Obrigado por ler meus textos.

REGE