https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Jazem num leito de papel

 
Hoje doem-me as palavras…
Não me dói a carne ou os ossos
doem-me as palavras nas pontas dos dedos.
Pobres palavras
que destinadas a sofrer de dor na alma
jazem num leito de papel
tão fragilizadas e magoadas
a sangrarem 2000 gotas suicidas por minuto.
E tu, mundo sabes que eu não as quero
deixar sair assim
só porque elas reclamam
que aqui dentro de mim
o sangue está infestado pelas saudades que do teu amor sinto.

Daniela Pereira-5/01/07

 
Autor
DanielaPereira
 
Texto
Data
Leituras
824
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Junior A.
Publicado: 17/04/2007 16:20  Atualizado: 17/04/2007 16:20
Colaborador
Usuário desde: 22/02/2006
Localidade: Mg
Mensagens: 890
 Re: Jazem num leito de papel
Tens tanta propriedade ao falar,
E cá sobre o leito, descansa as tuas falas,
E por falar se faz mulher,
Com todas as peculiaridades de ser,
Com toda a tenacidade daquela que o é.

Mui bueno Poetisa.


Enviado por Tópico
Mel de Carvalho
Publicado: 17/04/2007 16:29  Atualizado: 17/04/2007 16:29
Colaborador
Usuário desde: 03/03/2007
Localidade: Lisboa/Peniche
Mensagens: 1562
 Re: Jazem num leito de papel
Querida Dani,
Estamos em sintonia, já havia desconfiado. Hj mesmo publiquei um poemita "Amortalhou o silêncio" ...
Termina de forma a que podia até ser seguimento deste teu ...

"Na noite em que a folha branca murmurava
amortalhou o silêncio na mortalha da palavra!
Amortalhou-se na palavra.”


***
Gostei, Dani! Bjs d(a)e Mel!