https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Desilusão : 

Tempestade em meu peito

 
Sinto-me ser puxada pelo vento,
que sopra teu perfume,
ser arrastada pela corrente,
das minhas próprias lágrimas.

Qual tempestade em fúria,
qual vulcão em erupção,
são as explusões de meu sofrimento,
que me angustiam e desesperam.

Tenho meu peito dilacerado,
muito ferido, e abandonado,
tenho no rosto estampado,
um sofrimento envergonhado.

Tempestade porque me assolas?
Deixa meu amor voltar,
ancoraste no meu porto,
sem teres hora de abandonar.

No meu peito agora choroso,
sinto a dor e amargura,
nesta luta desigual,
que hoje chamo de loucura.


Geninha

 
Autor
Geninha
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1191
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
MagnoRobertoAlmeida
Publicado: 24/05/2007 15:36  Atualizado: 24/05/2007 15:36
Colaborador
Usuário desde: 14/05/2007
Localidade: Rio de Janeiro
Mensagens: 567
 Re: Tempestade em meu peito
Não chore, Geninha.
Não vale a pena. Depois da tempestade vem a bonança.
Tudo passa. Bjs poéticos. Gostei do teu poema.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 24/05/2007 16:16  Atualizado: 24/05/2007 16:16
 Re: Tempestade em meu peito
Não vale a pena sofrer dessa maneira, pois assim ainda ficamos mais derrotados.

Enviado por Tópico
Angela
Publicado: 24/05/2007 21:21  Atualizado: 24/05/2007 21:21
Colaborador
Usuário desde: 28/09/2006
Localidade: Caldas da Rainha
Mensagens: 567
 Re: Tempestade em meu peito
Quanta dor neste teu poema! A imagem da tempestade revela a intensidade do sofrimento.

Gostei muito do poema.

Um beijinho.

Enviado por Tópico
Valdevinoxis
Publicado: 24/05/2007 22:56  Atualizado: 24/05/2007 22:56
Colaborador
Usuário desde: 27/10/2006
Localidade: Aguiar, Viana do Alentejo
Mensagens: 1997
 Re: Tempestade em meu peito
Doem mais as dores de amor que qualquer outra mas não nenhum tema que seja tão favorável à poesia como este. A pungência no amor é um ingrediente que faz escrever poesia como nenhum outro.
Muito belo, o texto, apesar da mágoa doída. Gostei muito.
Só vou ser chato com uma coisa: cuidado com as "explusões".

Valdevinoxis