https://www.poetris.com/
 
Prosas Poéticas : 

Apagado

 
Sentado nesta cadeira e ao redor
Uma luz que me trespassa.
Sou mais um dia que finda
E virado a sul procuro respostas
Às dúvidas da noite que se avizinha.
Crepúsculo do silêncio incómodo.
Tudo me torna vago e obscuro.
Sinto-me tétrico ao anoitecer.
Nem sempre assim foi,
Mas hoje estou mais ignorante,
Não discirno a intenção e a capacidade de pensar.

Preciso do fulgor.
Do brilho do sol.
Com ele sou clarividente.

E o candeeiro desta rua não chega.
Preciso de uma luz que não esta, vil e amorfa.

Não dou nas vistas!
Hoje não é o meu dia
E não irei aos mais altos astros.
Ficarei por aqui,
Nesta cadeira imóvel, partida num dos seus calços,
Como eu, quebrado em mim.

11 de Junho de 2009


© Gonçalo Lobo Pinheiro

 
Autor
glp
Autor
 
Texto
Data
Leituras
664
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
33 pontos
9
0
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/06/2009 22:10  Atualizado: 11/06/2009 22:10
 Re: Apagado
Tens de consertar a cadeira, porque o poema está perfeito!

Abraço

Enviado por Tópico
Amora
Publicado: 11/06/2009 22:34  Atualizado: 11/06/2009 22:34
Colaborador
Usuário desde: 08/02/2008
Localidade: Brasil
Mensagens: 4763
 Re: Apagado
Sim, está perfeito, e como eu hoje estou menos ignorante do que de costume acabo de ter um momento dos que mais gosto: uma leitura viva de uma escrita inteira!
Adorei, G.
Um beijo
Amora

Enviado por Tópico
cleo
Publicado: 11/06/2009 22:38  Atualizado: 11/06/2009 22:38
Luso de Ouro
Usuário desde: 02/03/2007
Localidade: Queluz
Mensagens: 3857
 Re: Apagado
Meu caro poeta
De apagado só se for em sentimento, porque aqui... vejo-o muito bem sentado no altar de um belíssimo momento de introspecção!

Muito, muito bom, mesmo!

Beijo

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/06/2009 22:41  Atualizado: 11/06/2009 22:41
 Re: Apagado
um excelso poema!

Beijo azul

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/06/2009 22:51  Atualizado: 11/06/2009 22:51
 Re: Apagado
Gonçalo,
Parabéns, mais um poema que gostei de ler.
Tão bem o escreveste este retrato que também a mim me retratou.

Abraço,

Paulo Galvão

Enviado por Tópico
António MR Martins
Publicado: 12/06/2009 00:53  Atualizado: 12/06/2009 00:53
Colaborador
Usuário desde: 22/09/2008
Localidade: Ansião
Mensagens: 5064
 Re: Apagado
Gonçalo,

Para além dos diversos estados de espírito e da evidência que no poema caracterizas, acabaste de criar uma obra-prima da poesia.

Sublime!
Sem falsos valores.
Beijos

Enviado por Tópico
luisalpsimoes
Publicado: 12/06/2009 01:57  Atualizado: 12/06/2009 01:57
Colaborador
Usuário desde: 02/03/2009
Localidade: Ansião
Mensagens: 591
 Re: Apagado
Gonçalo,

Um poema sublime.
Adorei.

Beijinho

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 12/06/2009 09:06  Atualizado: 12/06/2009 09:06
 Re: Apagado
Quantas vezes quebrados...

Debaixo duma luz... amorfa...

Todos nos sentimos de vez em quando, assim...

Poucos o sabem expressar...

Venham os poetas.

Um grande abraço.

Enviado por Tópico
Sterea
Publicado: 12/06/2009 20:12  Atualizado: 12/06/2009 20:12
Colaborador
Usuário desde: 20/05/2008
Localidade: Porto
Mensagens: 3397
 Re: Apagado
Quantas vezes,
(vou pegar na deixa do Carlos...),
quantas vezes
a luz nos agarra
ao sítio de sermos
insignificantes sombras...
a luz que nos falta,
aquela que foge
entre o torpor
e o desejo
de se dar acordo
de si...

Profundo e significante, este poema...