https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

melancolia regada a fumo

 
à mesa do café o pão roído pelos dedos que tem outra visão acerca da fome
choro sobre o açúcar derramado
o coração de espinho esquecido no táxi
a chuva que só cai dentro da minha xícara
o garçom que não sabe de primeiros socorros
a fumaça que bate e volta fazendo um ruído de telefone ocupado
no próximo relâmpago acendo outro

é a máquina de ser forte falhando alto



 
Autor
Amora
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1504
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
36 pontos
18
1
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Maria Verde
Publicado: 25/08/2009 04:00  Atualizado: 25/08/2009 04:00
Colaborador
Usuário desde: 20/01/2008
Localidade: SP
Mensagens: 3544
 Re: melancolia regada a fumo
Será que se puser mais uma moedinha na máquina (como aquelas de refrigerante) ela jorra mais um tantinho "de ser forte"?
vou aprendendo contigo Amora!
beijo!

Maria verde





Enviado por Tópico
joseluislopes
Publicado: 25/08/2009 14:07  Atualizado: 25/08/2009 14:07
Colaborador
Usuário desde: 22/03/2009
Localidade:
Mensagens: 3351
 Re: melancolia regada a fumo
Olá Amora!

Ler-te é sempre um desafio interessante e quase sempre um momento feliz. Escreves sem destino, só te sei dizer que sinto as tuas mãos a deslizar, talvez por sentir a vivência das ideias e partilhar de momentos em que apenas podemos imaginar, interpreta-los será para mim ousadia.
Este movimento da poesia carrega os leitores de subtilezas, sorrimos porque pensamos que encontramos alguém que escreve o que já pensamos. Esquecemos a dor, nunca medível, nunca sofrida como na primeira pessoa. Somo assim felizes, aos solavancos, mas somos.

Um beijo
JLL


Enviado por Tópico
RoqueSilveira
Publicado: 25/08/2009 14:39  Atualizado: 25/08/2009 14:39
Colaborador
Usuário desde: 31/03/2008
Localidade: Braga
Mensagens: 8228
 Re: melancolia regada a fumo
Dá gosto ler o que escreves. Ficamos encantados e ao mesmo tempo sabemos que passamos ao lado do que é essencial quando não te lemos. Beijinho


Enviado por Tópico
(re)velata
Publicado: 25/08/2009 21:13  Atualizado: 25/08/2009 21:13
Colaborador
Usuário desde: 23/02/2009
Localidade: Lagos
Mensagens: 2181
 Re: melancolia regada a fumo
Vi a cena sem precisar de reler o poema. Depois reli-o para me sentar à mesa. A tua escrita é forte e densa, para saborear.
Adorei o retrato dessa «máquina de ser forte». Onde será o OFF?

Parabéns!

Beijinho


Enviado por Tópico
Vergílio
Publicado: 26/08/2009 17:43  Atualizado: 26/08/2009 17:43
Colaborador
Usuário desde: 22/03/2009
Localidade: Porto
Mensagens: 786
 Re: melancolia regada a fumo
Obrigado pelo seu texto que me fez pensar a minha condição de estar no mundo.
Beijo


Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 29/08/2009 03:22  Atualizado: 29/08/2009 03:22
Colaborador
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 17658
 Re: melancolia regada a fumo
Uma poesia que fala alto só por o ser desinteressadamente poesia.
Aplausos de quixo caído como diz tu, rs!

bj
Vania


Enviado por Tópico
Margarete
Publicado: 30/08/2009 00:06  Atualizado: 30/08/2009 00:06
Colaborador
Usuário desde: 10/02/2007
Localidade: braga.
Mensagens: 1199
 melancolia regada a fumo à amora
não posso ocultar o facto deste poema me ter cortado, como quem corta uma fatia de pão e deixa metade da mesma a endurecer, à força, em cima da toalha. hoje estou assim, para isto, para ti, para doer fundo e chorar mais.
tu sabes de que falo, não é?