https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de Beto

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Beto

Eu não sirvo para o amor, e nem eu sirvo para ela.

 
Eu sou a merda que você deu discarga
No anseio de melhorar o cheiro do seu dia
Me sinto jogado e não posso me sentir dinovo
Comigo ao seu lado tudo é diferente, pra pior
Não tenha receio de me deixar de fora
Pois minha vida nunca teve uma chance de viver

Quando pensar em algo ruim pense em mim
Por mais de uma vez, eu já fui o pior que devia ser
Estou a cada momento desmonstrando o nada que sou
Virarei seu pesadelo porque pra sempre você foi o meu sonho

E não importa o quanto se aproxime
Por mais longe que eu esteja. você se jogará fora se me quiser
Eu não presto para te deixar apaixonada, nem pra te deixar
Se você me querer para sempre vai ser a escolha errada
Porque pelo meu olhar apenas existe o sublime sofrimento
E existem tantos que podem permitir que seu amor viva
Enquanto eu apenas posso te mostrar a negação do que sou

Você é uma rosa, pela sua pele suave e seu cheiro vermelho
Apenas posso te dizer que eu não teria delicadeza para te cuidar
Nem mesmo a sanidade ao tocar você sem estragar sua fragância
E acabaria destruindo até o seu coração que é bonito e grandioso
Maior do que o raio de luz que seduz a sombra negra que me consome...
 
Eu não sirvo para o amor, e nem eu sirvo para ela.

Sei, queria que quero.

 
Sei que anseio
Por querer o que não terei
Uma palavra louca na mão
Uma verdade de revólver
Queria me atirar
Uma, duas, tres vesez ao dia
Queria ter de mim
A minha palavra te falar

Querendo lhe ter apenas pra sempre
Dizer que estou envergonhado
Dizer que quero
Sem dizer ao querer que te quero
Por você que espero
Mais não sei esperar

Sei que de valor
Palavras ao meu favor
Terei uma chance
Incerto crer, de alguma forma
Contar por vez a vitória
Que guardo por acaso com seu nome

Se é que sei
Escrevo tão somente
Querendo saber
Se andarei a curva
Em linha de encontro
E ao seu lado sonho
Como o sonho se pode sonhar......
 
Sei, queria que quero.

Criar um segredo, te torna diferente 0o

 
Todas as diferenças não querem dizer nada, a diferença não se faz e não se pode ser criada, se você pensar igual a todos que estão sendo diferentes como você é! O segredo é simples, ser apenas o que ninguém sabe. Isso te torna excêntrico, as vezes ao ponto de perder a sua própria simplicidade, sendo igual a pior diferença de todas, é só mais um pensamento a mais igual com nada a acrescentar, é o que estou tendo agora. Pensar de mais de vez em quando humilha a interpretação, chego até a pensar que é burrice pensar além do devido conceito, se você já demorou meia hora para escrever uma linha ruim.... vai durmir então.
 
Criar um segredo, te torna diferente 0o

Mecanismo humano.

 
Mecanismo da natureza
Peça de adestramento,
que nunca para
Faz história em puro sentido

No carregar de teus ombros
O pedir passageiro, um suspiro
Lamentando seus momentos
De tudo que não for de mais a você

Correr contra o vento
Andar em cada maresia,
oxidando dentro do peito
Em batidas de coragem
Ao afogar,
o universo dos segundos
E em cada passo,
vontades diferentes

Pesado, mais que o céu
Em teu carregado coração
todo encargo de consciênçia,
que o mundo abriga
O ruim, triste sabor de perder
Em apenas uma lágrima,
teu mundo despenca a tudo

Exatidão em teu instinto
Como em uma espécie,
de intuição lógica, faz
o mecanismo humano viajar
sobre a pirâmide ideológica
Inventando a situação de viver

Sou um robô fantoche humano manipulado por sentimentos que me levão a cometer as maiores loucuras. =]
 
Mecanismo humano.

Traidor de si próprio.

 
Fiz um ato enraivado
Teatral não era (olha só)
Raspei a mão na parede
Perdi duas unhas
Remoendo tais erros
Irreparáveis,
gravíssimos
Foi errado isso?!?
Não intencionei-me
Perdoa-me,
Sou defeitusoso
Milhões deles eu tenho
Pegue olhe a lista ai
Maltrapilho,
sem vergonha
pífio, reprobo,
fraldiqueiro
deamburlador
Mais quero tornar-me escritor
Quero ter rumo dirigido
- Estou constrangido, (suporto isto)
Carrego comigo no meu S2
Todos estes defeitos
São de fábrica, é meu jeito
Agora sou,
cão-problema
cão:fuso
Cara iluso
Só namorei comigo,
Alí no canto
Como pude?
Agora ta feito
Você ainda me quer?
Acho que não
Tá bom eu entendo
Adeus até mais

Coitado feliz
É de magoas infeliz
Julgas fingi sorrir
Sorri e fingi julgar
Entendeu que foi largado
E largado ficou estendido
Perdeu seu amor
No amor ele se perdeu
Agora ficou sozinho
Sozinho ele ficou
Traiu o seu amor
E o amor o traiu.
 
Traidor de si próprio.

asdjksdaskçjasdkjlçsdaklçasdjsdkçlasdjkçdklssdsddasasdasdadasdasd

 
Que a vida não me deixe viver mais do que a eternidade do meu tempo
Que eu viva no tempo em que a eternidade seja única a todos
Que esses meus defeitos não iludam a ninguém
Que essas minhas qualidades não me iludam
Que o infinito seja algo bonito
Que a beleza não seja uma tristeza
Que a vida se passe e o tempo prescreva a próxima alegria
Que fique dentro da aurora a amanhã que ilumina o dia
Que a dor dentro do peito o mundo veja brotar
Que do lado de fora os olhos consigam enxergar
Que no último suspiro a vida se lembre
Que no primeiro laço de amor o coração nunca se esquece
Que as verdades do homem sejam o perdão verdadeiro
Que na coragem do guerreiro o ferido seja levantado
Que o castigo do amante o calor do amor o deixe acreditar
Que o doente de amor não deite sozinho apenas a recordar
Que a ruina nunca deixei de ser um caminho para o recomeço
Que cada caminho o recomeço desperte um sorriso desanimado
 
asdjksdaskçjasdkjlçsdaklçasdjsdkçlasdjkçdklssdsddasasdasdadasdasd

Autores.

 
Tão singelo são os versos
Paralelos em uma folha do céu
Mais amarelos e despertos
Somos nós, como uma nuvem sem teto
Uma chama sem fogão
E até um aperto sem coração

Fingimos acreditamos
Que inoscentes somos
Na hora de acreditar e fingir

Tão singelo tom de sua autoria
É lida e ouvida sem se falar
Entendida compreendida
Sobre uma rima que não se pode rimar
Ou se pode
Onde podemos clariar a noite
No espelho do seu olhar
Te entender ao me entender
E me entender em te ler
E te ter sentido
No mesmo sentido em que me sinto....Quando leio você
 
Autores.

.

 
Plantei um pé de cana
Nasceu um pé de banana
O mundo todo se engana
Dos pés a cabeça insana

Plantei um pé limão
Nasceu um pé de feijão
O mundo está em solidão
Da mão a cabeça intensão

Plantei um pé marmelo
Nasceu um pé de marolo
O mundo todo é um rolo
Do cérebro ao pé do miolo

Plantei um pé maçã
Nasceu um pé de Avelã
O mundo tem medo do amanhã
Da cabeça o santuário talismã

E POR AI VAI O MUNDO
 
.

Uma droga de criação.

 
Cada qual verso meu
No deslaço a letra dobra
O seu verso é colocado
Na dobradura da minha porta

Sou escasso
Apertado no laço
Lesma do espaço
Corpo de massa
Cabeça em brasa

Me desfaço
Na vidraça
Puta desgraça
Anda descalça
Quando passa

Toda insparação
Aquela animação
Puta merda são
Instantes de emoção
Sou uma negação
Uma droga de composição....
 
Uma droga de criação.

Mais um poema bonitinho de S2,MAIS NÃO É GAY.

 
Todos temos uma segunda chance na vida
Até quando cometemos erros imperdoáveis
Aquele que estende a mão concerteza
É aquele que a mão sempre construiu
Laços inseparáveis de afeto e paz

Não fique sozinho porque sem amor
Não existe vida com dinheiro ele
Não vem nunca espere por ele vá até onde ele está

A vida é assim cheia de amor para quem ama
O amor é assim cheio de alegria para quem vive
Todos vivemos com amor dentro do essencial que é a alegria de viver

O amor vem com o tempo
Mais com o tempo vem os rumos
As vesez os rumos são inevitáveis
Mais com o tempo se concerta os erros
Onde o passado criou

Crie os caminhos de valor a seus momentos
Faça ser especial a pessoa que esta ao seu lado
E quem não te conhece faça um gesto grande
Se divirta, de um abraço em todos que te rodeiam
Viva sem pensar no que devia ser feito
Faça hoje o que você acha que te fará feliz
Mesmo sendo louco e não tendo do que reclamar amanhã.
 
Mais um poema bonitinho de S2,MAIS NÃO É GAY.

Sou cão de raça sem dono.

 
Sou cão sonhador
Viajante de todas eras

(Dentro do mundo)

Qual meu dono - erra
Sou livre de mim
De relampago tenho receio
Mulheres elas me animam

(Faço mil glórias em um dia)

Essa é minha alegria,
de viver correr
Meu território é natural
Vil, és tu o osso que roí ontem
Sou cão de todas raças
Todos becos eu me esgueiro

(Problemas banais)

Sou alegre! Coça peste
De bicho que me incomoda
Sempre isso,
nem com banho sai de mim
Fora sem vagas para pulgas!

(Sei lá se sou adorado)

Senhora legal aquela
Nos dias frios me
da uma carne limpinha

(Problemas do cotidiano)

Esse homem de azul
Vem me pegar, na correria,
não ganha-me, ainda sou astuto
E ele apenas um gordão valentão

(Sou de raça única)

Minha cor ornamentada
Me destaca só eu sou,
tingido mais sem cor,
Sujeira de rua! Háááá
que nada sou limpo
de coração, limpo lindo cão
E assim dias de cão sonhador
Os meus são os melhores...

Beijo de cão só para mulheres. ^^
 
Sou cão de raça sem dono.

Cão é o homem.

 
Cão fdp, cão que consome
cão sem nome
cão é o homem
como sou um animal maldito
como é ser um cão sem o osso ruído

É duro ser um cão bunda mole
Cão pelado morto de fome
Cão sem pelo não é lobisomen

Cão sem estrutura
filho de uma mula
cão que mora na rua
Cão me dê um abraço
se for como o homem
morderá o seu próprio braço

Cão que grita, cão sem latido
Cão alucinado, cão do rabo partido
Cão que ficou sem dono
só pode ser um cão perdido

Cão vira-lata
Cão que ama e mata
Cão ensinado, cão sem vida
Cão sem porque, cão não sei o que

Cão é o homem
que não sabe viver
cão que rima
cão au au faz e imagina
Cão que mija, que é safado
reza na partilha
e acaba todo surrado

Cão colosso
Cão que leva um soco
Cão medroso
Cão sem dentes
Cão se alimente
Cão que se solta na chuva
Cão que não tem mão usa guarda-sol
Cão da cara amassada
Cão da orelha ressabiada
Cão que anda na estrada
Cão que dorme em casa

Cão que tem nome de irmão
Cão do pai largado
Cão que um dia amou
cão fraco aonde se atirou

O cão está aliviado agora !!
 
Cão é o homem.

Retrato falado.Os inperfeitos tanbén aman.

 
Saiste lá de onde
Onde queimas
O lord sombrio
Perdeste sua inércia
Ou inércia foi pretexto
Seus olhos sanguentos
Criatura etérea
Que leva a persuadir
Áspides em sua língua
A fúria és brasa, tomada
E contida faz dizê-lo a suavidade
Entortas a verdade
Vocifera em suas costas
Lhe enfia o punhal se tú virarte
Pónhate de frente e sua fé
Será testada em suor e sangue
Torna-se, o cidadão, o repórter
O marceneiro, o filho, o pai
O urso, o lobo, a borboleta
Embora seus dons sejão belos
Apenas usa seu mal
Ele tem um defeito, o ciúmes
Sabe que somos imperfeitos
Mais que sabemos amar
Isso o corrói lhe queima
O deixa fraco sem argumentos
Invejoso caido ele despenca
Volta de onde veio
Será que ele é triste?
Sua tristeza faz ele cometer erros?
Porque ele faz isso?
Ele quer chamar atenção?
Somente sei que tudo é como é
Que as coisas são como elas são
Nem épocas nem séculos nem dias
O tempo refletiu sobre a mudança
E tudo se é, flua a sua diferença
Mude o seu carácter que o fazer
Mudará seus atos.
Os imperfeitos tambem amam.
 
Retrato falado.Os inperfeitos tanbén aman.

Lobisomen encarnado.

 
Vai embora vento dos diabos
Só me perturba e me deixa
Incomodado, você diz,
ser o que não é, seu desagradável
Adeus! Eu nunca te quiz
Não nunca mesmo,
por isso se torna um desprazer
Somente um maldito desprazer
Sou a criatura lobisomen,
Amaldiçoada, condenado a isso
Sem valor indolor a facadas
E a outros intrusos
Vento assasino que traz
Viajantes procurando,
pelo meu sangue
Eu dilacero cada incomodo
Que meu peito expulsa
desejos gelados que
acedem o medo de quem
fraqueja sobre o meu uivo
Lua cheia minha visitante
não me deixa solitário
Uivo apenas por ti, não pelo resto
Varios quilometros pela noite
Em vastas imensidões pela floresta
A procura pelo meu alimento
O corpo de seres que estão no lugar errado
Expelindo ódio e em carne sangrento
Minhas garras não te atigem
Vento da noite, apenas de você
Não posso livrar-me, partilha comigo
A raiva, observa tudo o que faço
E sempre é um incómodo
Um maldito incómodo
Que perscruta meus atos
Até a bala de prata entrar no meu peito.GRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRR
 
Lobisomen encarnado.

Conjecturando com certeza.

 
Tudo se é bastante
Mais sou homem intolerante
Sou um quarto de sujeira
Um imposto renda não pago
Indevido, improvável, indelicado
Me transformo em animal
Faço mar dançando nas estrelas - carnaval
Viro visão eliminada ilimitada de nós
Se nós todos em só somos amor assim
Nenhum amor dentre todos são descartáveis a mim
Penso muito penso nada e contigo é lar
Casa de alguém que não sou o morador desse peito
Universo paralelo infinito me guia
Com cada estrela por onde passei a eternidade fria
Sozinho com você sem ninguém estou
Do lado de alguém a quem o amor jamais amou.
 
Conjecturando com certeza.

Tudo bem, se ficar tudo mal.

 
Tudo bem, se ficar tudo mal...
Como a noite estarei só
Até mesmo com meus olhos
Colados entorno do meu nariz
Não sou o único isolado apaixonado
A raiva também é

Me desola a blastema do amor
Ouvindo a terrar gritar seu rancor
Meu sonho é lindo apenas para se sonhar
Sou uma criança, pior do que eu fui quando era
Não é que me tornei senhor na idade de cresçer
Foi que no morrer do tempo
O vento soprou mais firme do que favorável
Apenas restou a solidão...
 
Tudo bem, se ficar tudo mal.

Batendo o miolo no tijolo.

 
Quando minha cabeça bater o osso
Pela pele se abrirá a cinza
O derramamento de mim
Pelo deserto ponte agudo
Me deixa o pesamento no vago
De uma dor insuportável, que se começará

Onde a dor desnumbra a agonia
De errante ser me desfinha no tecido celular
Apanho das poucas centenas, das infinitas dezenas
em Suspiros em Pálidez
Nas idéias de uma vez estarem a derramar-te
O musgoso sangue cristalizado
Dos prazeres dolorosos e desmiolados

Sombra da dor que desencanta
Desmedida em pancada violenta
Que repousa fora dos sentidos
Aborrecê a matéria do meu crânio
Que adormece simples caido ao chão
 
Batendo o miolo no tijolo.

Escrevendo na água do útero

 
Por nove meses
Estive dentro
De um sonho
E sem motivo
Aparente fui
Expulso de casa
Fui puxado pelo
Pescoço e expelido
Cortaram meu alimento
Minha maçã estomacal portátil
Subi à altura
Quando me pegaram pelo pé
Pingando suco de uva verde
Em litrólitos vaginais
Vi o meu lar me abandonar
Com minhas pupilas dilatadas
Olhando pra dentro
De onde fui puxado e depois senti
Uma dor forte
Na parte traseria do meu corpo novico
Que me deu vontade de chorar
Tão alto quanto
Meus pulmões podiam exprimir
Eu nunca havia estado assustado
Nem experimentado a dor do choro
A lúz forte ofuscou meus olhinhos
Sem pedir para serem abertos pra vida
Fui carregado, largado
Limpado,admirado
Beijado e amamentado.
 
Escrevendo na água do útero

Uma lúz acende mil escuridões.

 
À lúz me levantá
Se a escuridão chegar
Não me perderei

O amor é imperfeito
Mesmo assim o deleito
De trevas ao amar

Puros rios de almas
Que passadas amaram
São vidas em pedaços
Onde o rio não secará

Deito ao chão
Sem chão para deitar
Em um sonho, onde não
Existe o limite para voar.

Pois quando acordo
Acende meu sol o olhar
A intensa escuridão de cera
Em que a vela pingou
Desatinou e apagou-se.

Na onde houver escuridão macabra a lúz pura chegará, até mesmo em um sonho por onde o pensamento carrega almas em rios que não secam e abismos sem fins para voar.
 
Uma lúz acende mil escuridões.

Irresoluta.

 
Jorras de meu leito
a margem onde,
está a tua solidão
Aqui em espiral
tu se torna única razão

Corrói, em gotas
pingos tristonhos
Em lágrimas escorrendo,
pelos brilhos de teus olhos

Acidez que esconde
Pura alma de menina
O receio pelo tatear
de minha mão, em
profundo corpo navega,
sem destino,
minha paixão

Tu senti em minha batida
colada em teu corpo,
colidem-se idéias
e o calor de sua suave
tristeza,
que a incerteza
a torna ilusória
quando tu está,
ao meu lado.
 
Irresoluta.