https://www.poetris.com/
Sophia Andresen :  Bebido o luar
em 09/02/2011 18:00:00 (3644 leituras)
Sophia Andresen

Bebido o luar, ébrios de horizontes,
Julgamos que viver era abraçar
O rumor dos pinhais, o azul dos montes
E todos os jardins verdes do mar.

Mas solitários somos e passamos,
Não são nossos os frutos nem as flores,
O céu e o mar apagam-se exteriores
E tornam-se os fantasmas que sonhamos.

Por que jardins que nós não colheremos,
Límpidos nas auroras a nascer?
Por que o céu e o mar se não seremos
Nunca os deuses capazes de os viver?


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Sergio de Sersank
Publicado: 01/03/2011 02:48  Atualizado: 01/03/2011 02:48
Super Participativo
Usuário desde: 13/01/2010
Localidade: Londrina-PR BRasil
Mensagens: 159
 Re: Bebido o luar
Este poema, impregnado de lirismo superior, é de uma beleza impressionante. Só mesmo grandes poetas, como é o caso da Sophia, seriam capazes de traduzí-lo em versos...
Sergio Sersank

Links patrocinados

Visite também...