https://www.poetris.com/
Hermann Hesse : Degraus
em 22/02/2011 23:16:22 (11440 leituras)
Hermann Hesse



Assim como as flores murcham
E a juventude cede à velhice,
Também os degraus da Vida,
A sabedoria e a virtude, a seu tempo,
Florescem e não duram eternamente.
A cada apelo da vida deve o coração
Estar pronto a despedir-se e a começar de novo,
Para, com coragem e sem lágrimas se
Dar a outras novas ligações. Em todo
O começo reside um encanto que nos
Protege e ajuda a viver
Serenos transpunhamos o espaço após espaço,
Não nos prendendo a nenhum elo, a um lar;
Sermos corrente ou parada não quer o
espírito do mundo
Mas de degrau em degrau elevar-nos e aumentar-nos.
Apenas nos habituamos a um círculo de vida,
Íntimos, ameaça-nos o torpor;
Só aquele que está pronto a partir e parte
Se furtará à paralisia dos hábitos.
Talvez também a hora da morte
Nos lance, jovens, para novos espaços,
O apelo da Vida nunca tem fim ...
Vamos, Coração, despede-te e cura-te!






Hermann Hesse (1877-1962), Alemanha
in "O jogo das contas de vidro", trad. de Carlos Leite


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
cestadivida
Publicado: 25/02/2011 20:16  Atualizado: 25/02/2011 20:16
Novo Membro
Usuário desde: 09/03/2010
Localidade:
Mensagens: 2
 Re: Degraus
Parabens por publicar Hesse. Foi um dos maiores pensadores da nossa epoca. Fala do sabor da vida.Existencialista, no valor intrinseco da palavra,ocupa um lugar no meu coracao.

Links patrocinados

Visite também...