https://www.poetris.com/
Fernando Pessoa : XVIII - Quem me dera que eu fosse o pó da estrada
em 13/01/2009 14:10:00 (5095 leituras)
Fernando Pessoa

Quem me dera que eu fosse o pó da estrada
E que os pés dos pobres me estivessem pisando...
Quem me dera que eu fosse os rios que correm
E que as lavadeiras estivessem à minha beira...
Quem me dera que eu fosse os choupos à margem do rio
E tivesse só o céu por cima e a água por baixo. . .
Quem me dera que eu fosse o burro do moleiro
E que ele me batesse e me estimasse...
Antes isso que ser o que atravessa a vida
Olhando para trás de si e tendo pena ...


Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XVIII"
Heterónimo de Fernando Pessoa


**************************************************


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Andraz
Publicado: 19/01/2009 01:45  Atualizado: 19/01/2009 01:45
Muito Participativo
Usuário desde: 13/01/2009
Localidade: Planeta Terra
Mensagens: 60
 Re: XVIII - Quem me dera que eu fosse o pó da estrada
Poema lindo de Caeiro. Um murro no estômago de quem gosta de brincar aos seres vivos.

Pessoa é simplesmente o maior!

Links patrocinados

Visite também...