Luso-Poemas
Registre-se agora!     Entrar

Links patrocinados



Menu de poemas

Quem está aqui

104 visitantes online (33 na seção: Poemas e Frases)

Escritores: 0
Leitores: 104

mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Textos -> Amor : 

39 anos de felicidade

 
Lembras-te de quando nos conhecemos? Foi há 39 anos, eu era ainda muito jovem, foram as nossas irmãs mais novas, que tudo fizeram para namorarmos, tua irmã dizia para a minha:

- Vamos mandar cumprimentos para os nossos irmãos para que eles começarem a namorar, assim foi, todos os dias mandavam os tais cumprimentos arranjados por elas.

Estudávamos na mesma Escola Francisco de Holanda, morávamos perto um do outro, tínhamos de andar de autocarro, então sentavas-te atrás do meu banco, com os bilhetes fazias bolas que de seguida atiravas para mim, claro como queria dar uma de difícil, olhava para ti, tu fazias de conta que não era nada contigo. Isto foi sucessivamente durante alguns dias.

Até que um belo dia estando eu sentada no recreio, com minhas amigas, a minha irmã entregou-me uma carta que tua irmã lhe tinha entregado escrita por ti (ainda a conservo comigo) minhas amigas ficaram todas invejosas, pois tu eras pretendido por elas todas, mas quis o destino que essa carta fosse para mim, claro meus olhos brilhavam de alegria, pois já estava apaixonada por ti, foi como um clik. Começamos a cumprimentarmos a dizer olá.

Até começamos a andar juntos no autocarro, a levavas-me a casa, quando um dia me pedistes em namoro, aceitei como era de se esperar, ficando radiante.

Tínhamos uma amiga, comum que andávamos sempre juntas, ela também namorava então começamos a andar os quatro. Ficavas sempre a minha esperas para ver se tinha feriado, se tivesse íamos passear. Um dia meu pai viu-me de mão dada contigo e de repente retirei a mão, ficastes todo zangado comigo dizendo não tinha nada que tirar a mão, pois algum dia ele teria de saber, meu pai não se importou até brincou comigo dizendo a minha mãe, ainda brincaram, a partir daí andamos sempre de mão dada, assumindo um namoro normal, foram sensivelmente dois anos até que um dia acontece o inesperado, fiquei grávida, não queria acreditar e depois dizer aos meus pais? não conseguia, até que minha irmã, começou a desconfiar e descobriu, arrebentou a bomba.

Meus pais claro ficaram tristes, mas depois tudo passou, casar, não valia a pena, estudávamos os dois, tu não tinhas o serviço militar cumprido, nem emprego então não havia nada a fazer senão esperar, nossos pais falaram chegando a conclusão de que irias trabalhar, começastes a trabalhar no dia em que nosso filho nasceu, irias fazer a tropa e depois casávamos assim foi.

Foi um casamento, simples só irmãos de parte a parte, como estava já com um filho de quatro anos não quis ir vestida de branco, lembraste foi no dia dezanove de Março de mil novecentos e setenta e sete ás dezoito horas na Igreja do Santuário da Penha: recordaste como ia vestida de saia e casaco castanha escura com um bordado no casaco, não queria que me sentisse noiva de branco sem o merecer, fizemos um jantar no restaurante Montanha na Penha, a única coisa que era de noiva foi o bolo que minha mãe sem eu contar colocou na mesa, fomos de núpcias, lembraste fomos dormir ao hotel na Póvoa de Varzim, será que ainda te recordas, claro como tudo era tão divertido as nossas famílias também. Fomos para núpcias quem tinha que fazer brincadeira connosco, claro tuas irmãs mais velhas com os maridos e lá fomos todos, foi uma festa andamos até as duas horas da manhã, pois não nos deixavam ir para a cama, mas lá chegou a hora e fomos foi tudo tão feliz, na manhã seguinte fomos já só os dois para Viana do Castelo, dormimos no hotel de manhã fomos para Espanha regressando nesse dia para o Porto ver meus pais e nosso filho maravilhoso, levantamo-nos e levamos nosso filho e minha mãe para acabar as nossas núpcias fomos até Sines, Serra da Estrela mostrando e brincando com nosso filho na neve, acabamos a nossa viagem claro começamos com outra viagem o de uma vida normal de casal.

Tudo corria bem, só que meu filho por sua opção e dos meus pais foi ficando a morar com eles, ainda esperamos que ele pudesse regressar para nossa casa mas meus pais já tinham tanto amor, a ele, e ele aos meus pais, que fizeram a opção de ficarem com ele, claro contra a minha vontade, mas como até aos quatro anos foram eles que o criaram.

No fim de três anos de casada, resolvemos ter outro filho, sim tivemos o segundo filho outro menino, ficamos com dois, só que só tínhamos um a morar connosco foram gravidezes muito boas, também fáceis de criar, tiveram uma boa educação hoje são dois maravilhosos filhos.

Tudo corria normalmente éramos felizes, até que ao fim de trinta e seis anos de relação, não sei concretamente o motivo, pois penso serem tantos que já não consigo menciona-los, sem darmos por conta estávamos a contrair um divórcio, o que não aceito de forma alguma, mas meu Deus o que nos levou a tal atitude, impensável por mim e por todos, éramos os últimos a divorciarmo-nos a face da terra, pensei este vai ser o ultimo divórcio no Mundo, não existirá outro.

Hoje estamos um para cada lado, eu dediquei a minha vida a Deus, dedico todo o tempo que tenho a Jesus (cantora, Ministra da Eucaristia e Cursista), á minha família, meus filhos e netos que a todos adoro, são razão da minha existência, vejo-te muitas vezes com outra ao lado e fico imune, pois nada posso fazer para que tudo não passasse de um sonho, mas os motivos da nossa separação foram principalmente ciúmes que tinhas de mim embora, nunca te tivesse dado motivos para isso, pois sempre te fui sou e serei fiel até que a morte nos separe, sou e continuarei a ser a tua mulher porque o casamento católico ninguém separa, ou seja tudo o que Deus Une Jamais Será Separado, por isso serei sempre toda a vida a tua mulher, que te amou tanto, te ama e amará sempre, mesmo sabendo que nunca poderemos viver novamente juntos.

Nada mais tenho a fazer senão agradecer a Deus por tudo o que tem feito por mim, tenho a certeza que também tenho dois anjos da Guarda no Céu que pedem por nós (minha irmã, que nos juntou, e teu cunhado que nunca iria concordar com a nossa separação), Sofri muito bati com a cabeça bem lá no fundo do poço, mas hoje sou uma mulher feliz, pois lutei muito para chegar aqui. Estou só a sete anos, já conformada com a situação. Costumo dizer Cristo e Eu …Maioria absoluta.
Clique para ver a imagem original em uma nova janela


Autor
jualves
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 1293
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
testemunho
SAUDADE...
Pensmento
mensagem de Nossa Mãe
mãe
Aleatórios
parabens
amizade
SAUDADE...
homenagem a meus pais
mãe
Favoritos
QUERO-TE - Julieta Ferreira
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Login

Usuário:

Senha:

Recordar senha



Esqueceu a senha?

Registre-se gratuitamente!

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...