https://www.poetris.com/
 
Contos : 

Mordomo (Fim)

 
Tags:  justica  
 
Ali, todos são condenados, e às vezes, pensa, também ele próprio, e até, talvez, o seu amo. De relance, olha cada um na descida. Os olhos procurando no escuro o próximo passo. As mãos fugindo às paredes, babadas por lesmas brancas, que, passeando-se também no tecto, desenham uma estranha abóbada celeste à luz fraca do candeeiro. No fundo, abre a porta sem chave, apenas com um toque. O tempo fica estático, e um empurrão decidido executa a punição. Vira costas e regressa, pois, a porta aprendeu a fechar-se sozinha.


Boa semana!


Garrido Carvalho

Abril '10
 
Autor
Garrido
Autor
 
Texto
Data
Leituras
556
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.