https://www.poetris.com/
 
Textos : 

Florbela, espanca-me...

 

Desculpa lá Florbela mas, amar perdidamente só a mim!
Não como o Narciso, que esse acabou mendigo do próprio corpo.
Mas amar a carne, os ossos e a pele. As mãos, os dedos e as unhas. Os nervos, as veias e o sangue. Tudo aquilo que me faz. E aí sim, serei mais alto, serei enorme.
E, assim, poderei perder-me de amor, nem que seja pela poesia, pois quando o vulcão vier e estoirar, saberei onde encontrar-me.
Depois, talvez o poeta…



 
Autor
zakastraszkas
 
Texto
Data
Leituras
791
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
RoqueSilveira
Publicado: 31/05/2010 17:03  Atualizado: 31/05/2010 17:03
Colaborador
Usuário desde: 31/03/2008
Localidade: Braga
Mensagens: 8368
 Re: Florbela, espanca-me...
não será perdidamente então, mas ainda aí será amar.
***
Bjs


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 02/06/2010 17:50  Atualizado: 02/06/2010 17:50
 Re: Florbela, espanca-me...
venho agradecer a visita ao meu espaço.

gostei da ironia á Florbela Espanca

mas seria pedir que usasse um qualquer avatar, nem que fosse uma cebola? rsss


beijo azul