https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Não tirem-me o que não podem dar.

 
Tags:  paz    liberdade  
 
Não quero, nada, mais nada,
tenho tudo que quero,
tenho tudo que posso.
Apenas quero paz.
Quero que deixem-me
nesta minha jaula
de letras e ansiedade
a me deliciar com meus versos.
Não preciso de inspiração,
nem de sentimento,
nem de tsunamis,
de tormentos ou calmarias
nem de sinceridades
muito menos hipocrisias
Não preciso de nada e de ninguém
preciso apenas de um alfabeto.
Meu requiém é eu que faço a cada dia
não preciso que exaltem minha beleza
(se é que há)
nem que chorem minha tristeza
nem que me prometam amor
não me outorguem dor
nem que me ofertem quimeras
nem que façam versos belos
não quero mais castelos ao ar
Não tirem-me o que não podem dar
não digam-me da vinda
nem do vinho da vinha
nem do sangue do sacrifício
nem da saúde frágil da sanidade
nem da última viagem
nem do avassalador vício
nem do início, nem do meio, nem do fim,
nem do rei, nem do querubim,
nem do sargento, nem do nojento, nem do soldado,
nem do anjo, nem do principado, nem de nada.
não me expliquem a estrada
muito menos me interessa a volta
nem a revolta ou a submissão
não me falem de estrelas
ao cáustico sol do meio dia
pois sou curiosa, sempre olharei
com minha natural esperançosa cegueira
esperando as respostas cauterizarem
minhas retinas de sensatez
pela luz estrelar de um momento fictício
Só peço um favor,
não me empurrem mais ao precipício
pois depois desta última queda
quebrei minhas asas:

Não sei mais voar.

Não me tirem o que não podem me dar

PAZ!


Ana Lyra

 
Autor
anakosby
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1231
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
28 pontos
12
0
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 31/07/2010 22:37  Atualizado: 31/07/2010 22:37
 Re: Não tirem-me o que não podem dar./ ANALIRA
Ana, o poema que parece ser uma negação,o não a isto, o não aquilo(e a Aquiles,rsss)e nem isto, nem aquilo, é uma profunda afirmação, de fortes convicções ! Posso dar o que não te posso tirar ? rss)
Amei !

beijo


Enviado por Tópico
Beija-Flor76
Publicado: 31/07/2010 22:45  Atualizado: 31/07/2010 22:45
Colaborador
Usuário desde: 23/02/2010
Localidade: PORTUGAL
Mensagens: 2058
 Re: Não tirem-me o que não podem dar.
Que saudades destes poemas fortes e viris vindos de ti, e se precisares de uma asa amiga, sabes que estarei sempre aqui.
Adorei e vou favoritar.

beijo de nectar.

beija-flor


Enviado por Tópico
Alberto da fonseca
Publicado: 31/07/2010 22:53  Atualizado: 31/07/2010 22:53
Colaborador
Usuário desde: 01/12/2007
Localidade: Natural de Sacavém,residente em Les Vans sul da Ardéche França
Mensagens: 7113
 Re: Não tirem-me o que não podem dar.
Excelente, Ana Lyra. nos deixam em plene reflexão

Bjs poetise e um excelente fim de semana

A. da fonseca


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 31/07/2010 23:05  Atualizado: 31/07/2010 23:05
 Re: Não tirem-me o que não podem dar.
Nunca te disse que eras feia?
Mas isso tu ja sabes e teus versos lindo grito de qualquer coisa que ainda não sabes, mas que sabes que é e que vais saber experiencialmente, chegado o tempo existencial. O resto é rejeição, é o outro, o estranho ao corpo, à mente, ao espírito.
A sensação, a emoção, o sentimento, é o thrill da paz, o teu estado natural, que te perturba a multiplicidade opinativa.
bjs
nuno


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 01/08/2010 04:51  Atualizado: 01/08/2010 04:51
 Re: Não tirem-me o que não podem dar.
Eu nada tirarei, apenas acrescentarei que adorei o seu grito poetico! Parabens e um abraco poetico!


Enviado por Tópico
VónyFerreira
Publicado: 01/08/2010 23:13  Atualizado: 01/08/2010 23:17
Membro de honra
Usuário desde: 14/05/2008
Localidade: Leiria
Mensagens: 9702
 Re: Não tirem-me o que não podem dar. / para amiga Analyra
Este é dos tais poema que quererei ler e reler muitas vezes.
Para quem te conhece, encontra-te nestas palavras, indubitavelmente.
Muito bom! Levo, e a ti deixo um beijo, "menina inquieta"
Vóny Ferreira