https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Almas do vento

 
Os corpos...
Balançavam-se a cada passo
Pé ante pé, alinhando sem ensaio
Corpos esguios, redesdobrados sem trabalhos
Cobertos e descobertos por véus

Numa dança do ventre, aprumada
Absorvida nos olhares matreiros

Em rezas, beatas fugindo aos pecados…

Além...
Num olhar de um jovem jogador, em seu quebrando
Onde o rio corria, desaguando

Vinham de Ceilão e Marajá
Cada qual, em segredo
Absorvia a sala, num soberbo olhar enfeitiçado

Esbeltos corpos balançavam, cobertos de desejo
Circundados por inveja, numa magia negra
Que não lhes travava a alma...
Tão leve pena, que o seu corpo atinge,
Na formosura...
Sobem ao cume mais alto, que uma pomba voa
Numa liberdade que só pode ser sua…


Cristina Pinheiro Moita /Mim/

 
Autor
mim
Autor
 
Texto
Data
Leituras
494
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 24/11/2010 09:36  Atualizado: 24/11/2010 09:36
 Re: Almas do vento
Ola Cristina, tu escreves muito bem! Gostei das tuas almas dancarinas! Beijos!

Enviado por Tópico
Nanda
Publicado: 27/11/2010 00:02  Atualizado: 27/11/2010 00:02
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2007
Localidade: Setúbal
Mensagens: 11186
 Re: Almas do vento
Mimzinha,
A dança dos corpos que na sua leveza ensaiam passos de amor.
Um poema soberbo.
Beijinhos e Bom fim-de-semana
Nanda