https://www.poetris.com/
 
Textos -> Amor : 

Onde moram todos os silêncios

 
Não te encontro a romper o véu que separa o real do imaginário. Sempre que fecho os olhos e te procuro, acontece assim, como quem procura por si, e de per si, num momento onde se dão todos os encontros. Nas minhas mãos quentes está a verdade de uma corrente que me envolve o corpo, deita-me, e toma-me de um jeito tão seu, consola-me, deflora-me enquanto célula viva a explorar-me a alma, onde habitas. É lá que que te imagino, mãos abertas para um todo, onde o amor cresce e acontece num espaço que é tudo menos um fundo negro, por ser o fundo dos meus olhos.

Caminho só, e tão só como quem perdeu a visão do mundo. Voltei num tempo em que todas as árvores floriam, todos os rios cresciam, todos os amores permaneciam numa corrente parada. Mas, eu tão só como quem acorda do nada, sacudi os ventos e baixei ao nível de todas as montanhas, e trouxe um céu maior para se afundar no mar, e ir ao encontro da única esmeralda capaz de me dizer onde moram todos os silêncios. Fui e voltei sem saber onde me escondi enquanto os mares engoliam os olhares cismados, simplesmente arrastados pela única via possível – aquela onde as tuas mãos talham as insígnias que se encontram já a formar novas correntes no meu corpo. O passado é agora um novo acontecimento presente em todos os traços do meu corpo, cimentando os gestos numa contagem crescente de todos os pontos minúsculos. Será talvez um modo de me contrariar as formas. Os meus passos são firmes, mas os meus pés de chumbo esmagam as correntes migratórias que se prestam a adornar um altar com todas as pétalas em forma de estrelas que baixaram nas minhas mãos. Carrego um fardo pesado, e não sei onde encontrar a aura, espertina do meu sono de cor fina, tinta fresca em tons violeta, com que pintas o novo espaço.

Tu és o meu amor presente, tão presente agora como o serás para todo o sempre. Sejas quem fores, de onde fores ou de onde vieres, eu esperarei por ti e quero que saibas que o é, tal o feixe dourado do meu habitat natural. Não me sei longe, nem perto, não me sei agora, nem quando partirei o eixo que me sustém o corpo pela metade. Não te esqueças de mim, porque o meu olhar está próximo, sempre aí, enquanto permaneceres em mim. Sei de um sítio, um sítio belo onde estamos juntos e é lá que te procuro quando fecho os olhos. Será assim, de uma forma única, como única é a verdade que reside em mim desde que me fundi em ti, porque terei que te procurar aí no fundo dos meus olhos, onde mora a minha alma.
 
Autor
ÔNIX
Autor
 
Texto
Data
Leituras
736
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
22 pontos
6
0
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 18/01/2011 22:16  Atualizado: 18/01/2011 22:16
Colaborador
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 17658
 Re: Onde moram todos os silêncios
Arrebatador! Obrigada. bjs


Enviado por Tópico
arfemo
Publicado: 18/01/2011 22:26  Atualizado: 18/01/2011 22:26
Colaborador
Usuário desde: 19/04/2009
Localidade:
Mensagens: 4812
 Re: Onde moram todos os silêncios
belissíma parábola sobre o amor...para ler em silêncio...beijo


Enviado por Tópico
Liliana Jardim
Publicado: 19/01/2011 02:51  Atualizado: 19/01/2011 02:51
Luso de Ouro
Usuário desde: 08/10/2007
Localidade: Caniço-Madeira
Mensagens: 4528
 Re: Onde moram todos os silêncios
Ola Dolores, saudades de ti

Um texto com a doce magia do amor, que encanta e encanta os meus olhos feitos gotas do mar meu.

Beijinhos poetisa
Tudo de bom para ti