https://www.poetris.com/
 
Textos : 

Nunca se Matou Tanto

 
Tags:  Augusto A. Colares  
 
Graças a presente era cristã nunca se matou tanto.

Na antiguidade havia uns crimes bárbaros, e daí?

Pois não eram eles realmente bárbaros de pai, mãe e avós, tão contrariamente a como nos consideramos agora?

Matava-se e morria-se aqui e ali.

Atualmente testemunhamos crimes em massa, procedimentos frios, premeditados, bolsões de extermínios sem rosto, institucionalizados e, para fechar, tem ainda o terrorismo fanático, de caça indiferente aos diferentes, aos milhares, aos milhões.

O progresso contemporâneo reza pelas armas.

E ainda há quem ache serem os antigos, os embrutecidos.

Glória a Zeus, tanto mais piedoso e sábio (que se metia muito mais com seus pares do que conosco, pobres mortais) do que esse deus guerreiro há tanto tempo municiado pelo Vaticano em tantas e tantas guerras, encantoado na casamata das igrejas.

Interessante o quanto as palavras daquele que foi denominado Jesus não são levadas em consideração por quase ninguém, muito pelo contrário.

Tudo o que é para justificar a guerra e a violência é buscada no velho testamento.

Se Jesus veio para aperfeiçoar mandamentos e ritos judaicos porque ninguém segue o que ele fala?

B.H. - 18.09.2010


Augusto Alfeu Colares

 
Autor
Augusto.Colares
 
Texto
Data
Leituras
620
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 12/02/2011 22:45  Atualizado: 12/02/2011 22:45
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29997
 Re: Nunca se Matou Tanto
um magistral poema, deixo meu abraço.

martisns