https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Quero matar

 
Quero matar a memória
Retirar-lhe toda a glória
E depois decapitá-la.
Oh, sim, eu quero matá-la

Trucidá-la com mil facas
Empalá-la em altas estacas
Que deixasse de existir
P’ra não mais me suprimir

Essa memória correcta
De passados, sem razão
Que me põe tão circunspecta

Que me largue já da mão
Deixando que eu, completa,
Saia da sua prisão



Marta Fonseca

 
Autor
Ophis
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1408
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
7 pontos
7
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
pedrobito
Publicado: 26/06/2009 00:17  Atualizado: 26/06/2009 00:17
Luso de Ouro
Usuário desde: 13/01/2009
Localidade: Leiria
Mensagens: 200
 Re: Quero matar
Ai oh pá!!! Este soneto está fantástico!

Li a primeira estrofe e nem precisava de ler mais nada:

"Quero matar a memória
Retirar-lhe toda a glória
E depois decapitá-la.
Oh, sim, eu quero matá-la"

Tá muito bom!
Beijinho,
Pedro


Enviado por Tópico
joseluislopes
Publicado: 26/06/2009 01:21  Atualizado: 26/06/2009 01:21
Colaborador
Usuário desde: 22/03/2009
Localidade:
Mensagens: 3351
 Re: Quero matar
Cara amiga,

O soneto está lindo, mas perder a memória!!!!
E depois como sabias o caminho para o Luso.
Gosto do que escreves, sinto essa dor que faz escrever até aqueles que não conhecem as letras.

Um beijo
JLL


Enviado por Tópico
(re)velata
Publicado: 26/06/2009 12:47  Atualizado: 26/06/2009 12:47
Colaborador
Usuário desde: 23/02/2009
Localidade: Lagos
Mensagens: 2181
 Re: Quero matar
Excelente soneto, Ophis! Neste caso, o assassinato tirar-te-ia da prisão... E o melhor é que depois de teres morto a memória, já nem te lembrarias do que fizeste!

(Às vezes sabe bem brincar com coisas sérias! Um beijinho e parabéns pelo belo texto!)


Enviado por Tópico
Marco
Publicado: 01/07/2009 21:33  Atualizado: 01/07/2009 21:33
Da casa!
Usuário desde: 18/03/2008
Localidade: Leiria
Mensagens: 229
 Re: Quero matar
Como te compreendo! Há coisas que desejamos sempre esquecer, porque nos perseguem, nos martirizam e mutilam. Era bom que pudesse ser assim como tão bem descreves. Parabens pelo soneto, muito bem escrito!


Abraço!