https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

o Deus do 33

 
sim, tu que me lês alma confusa
mente adiposa e mão senil
segue no poema a língua obtusa
que arde inteira a corda no canil.

uma prosa aqui e paga a conta
na corda nova, só cães molhados
coçam vaidades, hora de ponta
nos trinta e três versos aguados

a casa das putas já está vazia
mas fuga é mito, e o orgasmo sai
por trás da folha alva. ó bizarria
que chupa a prosa que lá cai.

masturbem-se pois, nesta hora
que plágio é tê-lo, mais metê-lo
é Deus que manda e nem cora
quando abre a boca e sai cabelo.

 
Autor
gabrielas
Autor
 
Texto
Data
Leituras
736
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.