https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Nix & Brahman

 
hoje desisti dos outros
coloquei o mundo entre parênteses
e joguei as chaves fora
desperdicei todas as horas
duma vez por todas
deixei só o eterno
o pra sempre e o sem fim
do lado de dentro
do meu universo
em órbita na luz de brahman

despedacei meus castelos
apaguei meu nome do livro da vida
pus fogo em clepsidras e ampulhetas
coloquei reticências no meu dia-a-dia

prometi chorar fogo das veias
jurei que erraria sempre que possível
e pra isso fiz um acordo comigo
selei a paz com a língua
como cartas
que enviei para todos os meus amores
na ilha dos bem aventurados

(e eu, onde estarei?
no máximo no inferno
ao lado de Camões)

apaixonei-me por deus
setenta vezes sete
previ o fim do mundo
como nabucodonosor
fiz versos pra olhos
que nunca olharam os meus
acreditei nos campos elíseos
tive horas em que fui brahma
noutras destruidor
mas no fundo mesmo
sou buraco negro
num poema de Rimbaud

após tudo
sobrou apenas Nix
e minha mente inquieta
numa noite longa
torcendo pro poema terminar
como os meus dias:
inesperadamente vem o sono
e eu nunca lembro quando
nem porque veio
só sei que é dormir
sensação de nirvana

daí o poema cai no chão
quebrando-se feito vidro
cacos e sangue por todos os lados
formando uma nova constelação
ou versos de Emily Dickinson

 
Autor
ferlumbras
 
Texto
Data
Leituras
645
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Manu_C.
Publicado: 19/05/2012 13:26  Atualizado: 19/05/2012 13:26
Membro de honra
Usuário desde: 22/12/2011
Localidade: Itália, Milano
Mensagens: 568
 Re: Nix & Brahman
Querido ferlumbras,
um poema profundo, visionário, intenso.

"daí o poema cai no chão
quebrando-se feito vidro
cacos e sangue por todos os lados
formando uma nova constelação"

É necessário ter o caos cá dentro para gerar uma estrela.

Parabéns! Abraço,
Manuela