https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

JOGANDO A TOALHA

 
.
JOGANDO A TOALHA

PODE ME GRUDAR NAS NUVENS.
VOU CHOVER ESSAS COISAS
QUE JÁ DILUÍRAM DENTRO DE MIM:
O ONTEM, A PERDA, O QUE NÃO TEM SOLUÇÃO.
O CÉU DEVE SER UM LUGAR
PARA PESSOAS QUE ESTÃO CANSADAS DOS PÉS
NO CHÃO. DA IGUALDADE DAS PALAVRAS QUE NADA DIZEM.
(SEI LÁ)
FICAREI POR LÁ POR TEMPO INDETERMINADO.
OLHANDO O QUE DEU ERRADO POR AQUI,
SEM PRESSA DE CONSERTAR O QUE NÃO TEM
MAIS CONSERTO, NEM O QUE ME DEIXA PARTIDA.
JÁ NÃO ADIANTA SER,
JÁ NÃO ADIANTA O BAND-AID NA FERIDA.
NÃO TENHO VERGONHA DE ASSUMIR QUE
NÃO TENHO MAIS CORAGEM DE TENTAR DE NOVO.

KARLA BARDANZA
 
Autor
Karla Bardanza
 
Texto
Data
Leituras
2313
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
3
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
FátimaAbreu
Publicado: 24/07/2012 11:31  Atualizado: 24/07/2012 11:31
Colaborador
Usuário desde: 11/06/2008
Localidade: Maricá, RJ
Mensagens: 2395
 Re: JOGANDO A TOALHA
É, minha amiga Karlinha... Muitas vezes jogamos mesmo a toalha... Eu sei bem disso. Mas sabe amiga? Sempre pode haver um novo recomeço, qdo ainda se respira. Principalmente para os poetas, porque a poesia é a maior forma de colocar todas as angústias e sentimentos para fora( isso dá um alívio )!!!
Beijos, borboletinha.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 25/07/2012 03:27  Atualizado: 25/07/2012 03:27
 Re: JOGANDO A TOALHA
Tuas palavras nostálgicas ficaram belas no poema. Uma inspiração forte... os tres primeiros versos estão lindos... e a emoção(chuva) retorna ao âmago. Parabéns!

Bjs

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 25/07/2012 03:43  Atualizado: 25/07/2012 03:43
 Re: JOGANDO A TOALHA
"PODE ME GRUDAR NAS NUVENS.
VOU CHOVER ESSAS COISAS
QUE JÁ DILUÍRAM DENTRO DE MIM:"

A poeta encontra uma forma de dizer o indizível (vou chover essas coisas). Sua poesia, Karla, é ousada, quando atravessa os cinco sentidos,faz chover, subverte a lógica (gruda nas nuvens. Não é fazer-te justiça ler o que escreves e interpretar pelo senso comum. Pois tua escrita já tem uma solidez e coerência de quem já pode arriscar tudo. Até jogar a toalha. A poesia a traz, de novo, e de novo, para outro jogo, um novo ringue.



Bacana demais!

Bj.