https://www.poetris.com/
 
Textos -> Outros : 

Ainda que...

 
A eternidade é um relógio avariado no bolso de um velho que ainda sonha nos intervalos em que não dormita. O infinito é sempre o mesmo abismo para onde se precipitam todos os seus sonhos. Estremece e acorda, retira o relógio do bolso e enquanto boceja, mira-o demoradamente de um lado e do outro. Por fim decide dar-lhe corda na mesma. Ainda que...


*... vivo na renovação dos sentidos, junto da antiguidade das lembranças, em frente das emoções...»

Impulsos

coisa pouca

 
Autor
cleo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
601
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.