https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Ainda que a existência pudesse ler...

 
Tags:  poesia    tempo    espaço    existência  
 
Textos são existencialistas.
Para que serve o espaço?
Para criar papéis em branco,
reticências múltiplas de tempos não-sentidos,
ou turbilhões de olhos e ouvidos?

Temos tantos papéis em tantos sentidos...
Parafernália de sentidos
de estar sentindo
o sentido de quase tudo.

Em tão pouco tempo os papéis se tornam
tempos findos,
tempos nulos,
templos lidos.

Chegamos ao espaço.
Chegamos à caneta.
A caneta imita o tempo.

Nós escrevemos nós mesmos.
Inscrevemos nós mesmos onde passamos,
enquanto ficamos,
quando saímos,
no espaço o qual se insere o tempo que ficamos idos...
ou que permanecemos vivos.

Espaços são espaços escritos que nenhum tempo decifra.
Que o espaço os cubra.

Quem culpará o tempo do espaço perdido?
O tempo parece pathos-pó de espasmos de espaços...

Somos espaços de nós mesmos,
de outros espaços,
ou de tempos em branco.

Quem serão os espaços que tiram espaço dos espaços?

Que todo o vazio se esvazie de nada
antes que o tempo descubra
o estrago que o espaço fez no tempo.

 
Autor
samanthabeduschi
 
Texto
Data
Leituras
870
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.