https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Soneto do sicário da noite

 



“Tu, és assim voltada” — eu lhe dizia —
“Como estaca plantada, ó alma opressa,
Responder-me possível te seria?” —

Eu \'stava aí, qual monge, que confessa
Assassino, que em cova já fincado
O chama, pois, em tanto, a pena cessa.”

A Divina Comédia - Inferno, canto xix








Punge, excita, uma fera em mim há, que rasgadas as veias,
assanha anelos, desperta do letárgico sono onde encerrada,
qual transitória jaz, como num ataúde ladeado de candeias;
acautele-se, pois não a tenha, porém, por mansa-inanimada.

Quando est’a dormir, uma antítese. Não tenh’ alma sujeita,
em contraste, a doçura é exalada de mim, quase um pranto;
mal despertada, age. Contrassenso, levanta logo a suspeita,
irrompe em cólera, exala a ira, a disparidade causa espanto.

Quem poderia ser esse facínora, destro sicário, antinomia,
cujas mãos prepotentes não vacilaram, sem nada contrário?
Invadiu-me a alma sem contradita quando a noite irrompia,
tão forte, já me fez sem controle, ator em ilógico cenário.

No átimo, sem discordância, galgar da insanidade o cume:
- Desmedido nos atos, iníquo, cruel-assassino: meu ciúme!




 
Autor
shen.noshsaum
 
Texto
Data
Leituras
498
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.