https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

E agora...

 

E agora?
Pergunto ao vento que sacode a vidraça.
E agora? que rolam no chão todas as folhas mortas
De uma árvore tombada.

Questiono seja o que for
Numa esperança fugidia
Quero saber qual a cor
Que deixa a alma fria.

Às vezes penso que é branco o desamparo
Outras é negro… e um reparo logo vem
Como quem não quer a coisa, malvado
Ri de mim, ri de ti, até do além.

E agora?
Que choram as pedras que os teus pés pisaram.
Será que por entre elas nascem beldroegas
Se assim acontecer é porque entregas
Nas mãos de Deus águas que brotaram

Dos meus olhos.

Poesia de Antónia Ruivo.





Era tão fácil a poesia evoluir, era deixa-la solta pelas valetas onde os cantoneiros a pudessem podar, sachar, dilacerar, sem que o poeta ficasse susceptibilizado.

Duas caras da mesma moeda:

Poetamaldito e seu apêndice ´´Zulmira´´
Julia_Soares u...

 
Autor
Antónia Ruivo
 
Texto
Data
Leituras
2670
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
1
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Odairjsilva
Publicado: 27/05/2014 01:43  Atualizado: 27/05/2014 01:43
Membro de honra
Usuário desde: 18/06/2010
Localidade: Cáceres, MT
Mensagens: 2792
 Re: E agora...
E agora o que dizer? Um lindo poema! Gostei muito. Parabéns pela inspiração!!!