https://www.poetris.com/

 
(1) 2 3 4 ... 43 »
Offline
Antónia Ruivo
Amor...
O vocábulo amor anda de boca em boca Num tempo em que a maldade impera, A ganancia, inveja, e mal...
Enviado por Antónia Ruivo
em 28/05/2014 12:06:14
Offline
Antónia Ruivo
E agora...
E agora? Pergunto ao vento que sacode a vidraça. E agora? que rolam no chão todas as folhas mor...
Enviado por Antónia Ruivo
em 26/05/2014 23:34:35
Offline
Antónia Ruivo
Recomeço...
Transporto nas mãos abertas uma ânsia fria Nas pontas dos dedos vazio pardacento Na boca o trav...
Enviado por Antónia Ruivo
em 25/05/2014 21:43:37
Offline
Antónia Ruivo
Sina...
Sei-te no pensamento Numa folha de árvore que cai Até na força do vento A tua presença não esvai...
Enviado por Antónia Ruivo
em 24/05/2014 22:39:42
Offline
Antónia Ruivo
Tudo passa...
Num ponto ao sul intento o teu rosto Desenhado no barro a tinta-da-china Mas a sorte trocada… e ...
Enviado por Antónia Ruivo
em 19/05/2014 23:51:45
Offline
Antónia Ruivo
Se morrer logo mais...
Se morrer logo mais que seja em campo aberto Como amparo um tronco de sobreiro Que me aqueça o ca...
Enviado por Antónia Ruivo
em 14/05/2014 12:58:06
Offline
Antónia Ruivo
Oração...
Minha Nossa Senhora Meu Rosário de luz Traz amor e ventura A quem te procura Traz um pouco de pa...
Enviado por Antónia Ruivo
em 13/05/2014 18:31:38
Offline
Antónia Ruivo
Sem alarde...
Se viesse o meu amor por entre a tarde E trouxesse nas mãos um sonho antigo Eu juro, ficaria quie...
Enviado por Antónia Ruivo
em 12/05/2014 16:05:38
Offline
Antónia Ruivo
Pigmeu...
Porque me chama a ilusão que arde Em fogueira de aflição, porquê eu… Que transporto no peito fút...
Enviado por Antónia Ruivo
em 11/05/2014 17:55:33
Offline
Antónia Ruivo
Deixem correr o poema...
O poema pode ser doce brilhante, insidioso ou asqueroso. Deve ser arrogante. De uma presunção ma...
Enviado por Antónia Ruivo
em 07/05/2014 10:53:29
Offline
Antónia Ruivo
Sombra...
Porque se foi o nada, se nada era Ao meu lado deixou a sombra Essência deslavada Pelo fantasma ...
Enviado por Antónia Ruivo
em 06/05/2014 10:37:23
Offline
Antónia Ruivo
Maio...
Maio… Se ao caminhar por estrada incerta Sob os ombros não pendesse estranha cruz Se das estrel...
Enviado por Antónia Ruivo
em 30/04/2014 10:49:17
Offline
Antónia Ruivo
Receio...
Saudade do vento por entre os meus cabelos Nas pontas dos dedos trouxe um dia anelos Saudade de...
Enviado por Antónia Ruivo
em 29/04/2014 12:41:10
Offline
Antónia Ruivo
Liberdade...
Por entre os dedos os cravos secos Nas mãos de calos doridas Escorrem revoltas, sonhos encobertos...
Enviado por Antónia Ruivo
em 24/04/2014 23:18:09
Offline
Antónia Ruivo
Estranha paixão...
Tenho longas conversas com o silêncio A solidão senta-se à mesa também Questiono os dois e mais m...
Enviado por Antónia Ruivo
em 22/04/2014 14:49:31
Offline
Antónia Ruivo
Poeta de estrada...
Em tudo o que digo, intento Desmembro, atiro areia para os olhos Em altos gemidos Outras, arrepio...
Enviado por Antónia Ruivo
em 17/04/2014 09:55:23
Offline
Antónia Ruivo
Abril...
Ao abrir os olhos pela manhã A imagem desce tranquila Do teto que é branco. Traz nos olhos saudad...
Enviado por Antónia Ruivo
em 16/04/2014 12:44:08
Offline
Antónia Ruivo
Às vezes...
Às vezes oiço, outras nem tanto Também falo só por falar Ou então fico calada, logo Escrevo, de ...
Enviado por Antónia Ruivo
em 15/04/2014 23:09:31
Offline
Antónia Ruivo
Ilusão
Avanços, recuos. Não vês que são gritos Na garganta retraio, já não sei Se fujo de mim, se de ti ...
Enviado por Antónia Ruivo
em 12/04/2014 20:39:41
Offline
Antónia Ruivo
Monte...
Cresci numa casa branquinha De telha vã, o telhado Uma chaminé amarela Caiada a oca De terra ba...
Enviado por Antónia Ruivo
em 04/04/2014 20:32:18
(1) 2 3 4 ... 43 »