https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

ARCÁDIA ULTRAMARINA - carpe diem

 
Tags:  SONETOS 1995  
 
ARCÁDIA ULTRAMARINA - carpe diem

para Domingos Caldas Barbosa, o Lereno

Curtos os dias vãos que a Hora destrói:
Grão a grão de areia verte na ampulheta...
Há que se buscar fogo santo em meta,
Libertando do Cáucaso outro herói.

Curtos os dias sós... Quem desconstrói
Verso a verso a poesia 'inda à gaveta?...
Há que se verter fogo santo ao poeta,
Inflamando a palavra que o corrói.

Curtos os dias, mas d’isso eu me furto
A ouvir o que me vem da própria boca:
—"Curte o dia que é, poeta: O dia é curto!"

A vida vale àquele que os céus toca
E nem a Hora lhe alcança o verso surto
Nos corações de quem o amor evoca.

Formiga – 20 02 1996


Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
332
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
RicardoC
Publicado: 10/10/2015 00:19  Atualizado: 10/10/2015 00:19
Colaborador
Usuário desde: 29/01/2015
Localidade: Betim - Minas Gerais - Brasil
Mensagens: 3921
Online!
 Re: ARCÁDIA ULTRAMARINA - carpe diem
Saudações, luso-poetas.

Concluída a publicação da série de dez sonetos "ARCÁDIA ULTRAMARINA". Amanhã publico a série completa, tl como fiz com A NINFA e TRÍPTICO.

Obrigado àqueles que leram e comentaram.

Abraços, Ricardo Cunha.