https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

A Imortalidade que perdi

 


Foram momentos de grande euforia,
tanto elevo,
a mais pura exaltação como numa elegia.
E na apoteose dessa paixão,
em pleno êxtase,
numa fúria cega,
vi-me como se revestido de aço,
invulnerável
e irrepreensível resilente
imune aos estilhaços das granadas.

Se ainda havia a Morte, não cria nela...

Após momentos dessa apologia à imortalidade
- glorificação de um próprio eu incandescente,
cedo à ebulição do febril entusiasmo.

Num repente,
tornando à rotina sem ênfase,
livre de todo alvoroço experimentado,
tomado pela irritação
- a efervescência da ira
e a frustração exalo diante da Imortalidade que perdi.

 
Autor
aziago
Autor
 
Texto
Data
Leituras
452
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.