https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Amor : 

A Fênix encontra a Pequena Guerreira

 
Em vermelho e dourado talhou-se o sonho
O fogo do seu olhar apaixonante
Do seu peito reluzia o frescor do aconchego
E da morte
Sim, a morte
A proposição indissociável de cada amanhecer

E dessa ambiguidade funesta
O encantamento se via atormentado
Pela eminência do ciclo das paixões...
Elas se vão.

A compreensão fria e inevitável
Alimentava a pira de autodestruição da Fênix
A aceitação conformada de seu ciclo

Em brasas, ainda se colocava quieta
Para ser cinzas
Para aceitar o subjugo do tempo
A sentença cíclica do Astro Rei

Mas uma pequena guerreira
De pela branca e enluarada
Inconformada aos caprichos do Astro Rei
Insistia em não permitir que nada se apagasse

Avistava a pira
Que agonizava a fúria vermelha de asas
E viu-se encantada ao rubor voraz
Que se esvaia
Que se perdia em conformismo e combustão
Soprou seu hálito leve e singelo
Aos pés do fogo dos deuses
Alimentou a pira que consumia os vestígios
Da paixão alada...

A Fênix viu-se forte
Viu-se amada
Arrancou da pira para os céus
Em seu esvoaçar dourado
Mas encantada com o frescor da pequena guerreira
Desiste aos céus
E lança-se ardente ao peito de sua heroína
E os astros testemunham o primeiro eclipse...


"A maior riqueza
do homem
é sua incompletude.
Nesse ponto
sou abastado.
Palavras que me aceitam
como sou
— eu não aceito." Manoel de Barros

Como misturar mitologia grega e folclore amazonense. Mistura entre a lenda da Fênix e da Índia Branca do Amazonas. O Sol e A Lua em um encontro intenso...
 
Autor
Cleber
Autor
 
Texto
Data
Leituras
324
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.