https://www.poetris.com/
Sonetos : 

ENTRETANTO

 
Tags:  SONETOS 2012  
 
ENTRETANTO

Não teria outro fim senão a morte
Quem quer que ousasse amar como eu amei...
Pois, apesar de tudo o que passei,
Sem ela, nada há já que me conforte.

Posso culpar os céus por minha sorte
Ou clamar em contrário à dura lei,
Que inadvertidamente desafiei
Em nome d'esse amor sempre mais forte.

Entretanto, ora o amor é meu algoz...
Arrastando os grilhões de tantos erros,
Aguardo minha pena preso a ferros.

Como quem lhe aborrece a própria voz,
Silencio estes ais dentro do peito
Na solidão que, bem ou mal, aceito.

Belo Horizonte - 22 08 2012


Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
160
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
0
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.