https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Clausuras abertas

 



As sinuosidades dos momentos
fogem da reta da visão.
Dessas curvas nascem poemas;
concavidades de solidão.



 
Autor
Amanayara
Autor
 
Texto
Data
Leituras
442
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
9 pontos
5
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
HelderOliveira
Publicado: 21/10/2016 19:57  Atualizado: 21/10/2016 19:57
Da casa!
Usuário desde: 09/02/2014
Localidade: Angola
Mensagens: 314
 Re: Clausuras abertas
Alô Amanayara, gostei muito de ler o "Clausuras Abertas". Não é muito fácil de se compreender mas consegui apanhar o sentido. Também me deixei embalar pela música e pelo ritmo que dele se irradiam.
Uma saudação amiga do
HelderOliveira

Enviado por Tópico
Jerenino
Publicado: 22/10/2016 09:39  Atualizado: 22/10/2016 09:39
Da casa!
Usuário desde: 04/09/2016
Localidade: ponte nova mg
Mensagens: 486
 Re: Clausuras abertas
que lindo poema amei
um toque sentimental em poucas palavras.

amei muito

( jerenino )

Enviado por Tópico
Dream
Publicado: 22/10/2016 10:33  Atualizado: 22/10/2016 10:33
Super Participativo
Usuário desde: 20/03/2015
Localidade:
Mensagens: 130
 Re: Clausuras abertas
lindo

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 24/10/2016 07:59  Atualizado: 10/06/2020 09:03
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1926
 Re: Clausuras abertas
Realmente, excepto em forma de dueto, por exemplo, o poema é um acto bem solitário.
A solidão é também uma inspiração bastante intensa e produtiva.
Mas o que nos foge à vista e entra nos sentimentos, mais do que nas sensações (nos 5 sentidos), fazem parte deste doce tormento que nos fazem e à poesia, que cresce em nós.

Bj

Enviado por Tópico
Margô_T
Publicado: 10/06/2020 08:51  Atualizado: 10/06/2020 08:51
Da casa!
Usuário desde: 27/06/2016
Localidade: Lisboa
Mensagens: 309
 Re: Clausuras abertas
O poema nasce do não-óbvio, da não-recta, da “concavidade” e “sinuosidade” dos momentos.
A “solidão”, recolhida por Natureza, assemelha-se a esta concavidade; e é nela que reflectimos sobre os outros, sobre nós e sobre o mundo, originando essas “curvas” do pensamento que criam poemas como este!
Gostei!