https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

DO ÚLTIMO NATAL

 

Que poderia ter sido um conto...

(Não ficcionado)

Um dias antes do Natal, Maria Helena contactou-me por via electrónica dizendo que gostava muito de adquirir o meu último livro, mas que o não encontrava em nenhuma livraria do Porto.
Respondi-lhe que me fosse dada uma direcção postal para que eu o fizesse chegar pelo correio, a título de oferta. Respondeu-me que agradecia o envio, mas que queria pagar o livro. Eu insisti dizendo que era oferta minha e que o faria chegar a sua casa sem qualquer custo para ela, até porque teria muito gosto em fazê-lo, sabendo-a uma fiel admiradora do que escrevo. Ela, intransigente, insistia que o queria pagar e que lhe fosse dito qual a importância a enviar na volta da recepção do livro. Sugeri-lhe então que no Dia de Natal oferecesse 10 euros ao primeiro sem abrigo que encontrasse na rua e esse, sim, seria pagamento a preço d’ouro do meu livro.
No dia 26, escreveu-me, pela mesma via electrónica, estas palavras que irei reproduzir ipsis verbis:
“Boa tarde. Cumpri o prometido. Já estão entregues os dez euros a um sem abrigo.
Vou contar como foi:
Uma minha irmã foi a uma pastelaria no Porto comprar umas coisas para trazer para minha casa, ontem (dia de Natal). Quando cá chegou deu por ela que não tinha o telefone. Telefonou para a pastelaria e disseram-lhe que lá não estava nada. Então a minha filha lembrou-se de falar para o telefone da tia. Atendeu um senhor com um sotaque de africano. Tinha encontrado um telefone no passeio em frente à pastelaria e disse para irem ter com ele que ele o entregava.
A minha filha, que sabia do nosso contacto, disse-me: mãe dá-me os dez euros que já ficam entregues.
Assim foi, quando lá chegou, era um senhor com aspecto de muita necessidade, que lhe entregou o telefone e a quem foram estregues os 10 euros.
Peço desculpa, fui operada a uma catarata e ainda me custa um pouco ler, pelo que só daqui a uns dias voltarei a partilhar os seus poemas.
Um abraço e mais uma vez muito obrigado.”
Digo eu agora: que gratificante foi para mim saber que os 10 euros do meu livro de poesia serviram, no Dia de Natal, para um filho honesto e desprotegido do mesmo Deus


João Luís Dias

 
Autor
jluis
Autor
 
Texto
Data
Leituras
384
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
14 pontos
2
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Lucineide
Publicado: 26/12/2016 11:35  Atualizado: 26/12/2016 11:35
Colaborador
Usuário desde: 06/12/2015
Localidade:
Mensagens: 1260
 Re: DO ÚLTIMO NATAL
Um texto emocionante. Como é bom saber que ainda tem honesta nesse mundo! Pelo título do seu texto notei logo se tratar de um bom texto. Gostei da forma como você escreve. Tudo de bom e sucesso em seus livros. Abraços!