Sonetos : 

À MERCÊ DO TEMPO

 
Tags:  SONETOS 2017  
 
À MERCÊ DO TEMPO

Hoje, que chove forte e venta frio,
Percebo o quanto sou eu suscetível
Às mudanças do tempo, ao mesmo nível
Dos que fixam na lua o olhar sombrio.

Abandono-me à espera d'outro estio.
No entanto, cada vez mais irascível,
Não raro me estremeço de sensível,
Gelando a espinha súbito arrepio.

No céu, nuvens pesadas bem escuras,
Deixam-me o peito opresso e amargurado
Sem eu saber sequer por quê cuidado.

Segue o tempo a variar temperaturas
Junto com meu já não tão bom humor
Enquanto nega o sol o seu calor.

Betim - 14 02 2017


Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
89
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
16 pontos
4
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Chou
Publicado: 14/02/2017 23:29  Atualizado: 14/02/2017 23:29
Da casa!
Usuário desde: 01/02/2017
Localidade:
Mensagens: 392
 Re: À MERCÊ DO TEMPO
É aceitável e compreensível que em tempos assim nosso espírito busque o recolhimento para introspecção e refazimento.


Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 15/02/2017 17:14  Atualizado: 15/02/2017 17:14
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 24011
 Re: À MERCÊ DO TEMPO
Um belo poema que exala o sentido amor