https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Minimalistas : 

"dias de glória"

 
Tags:  poesia    inspiração    verve  
 
veio ela
em rubra
fita na testa e
o peito
com blusa
aberta

palavras
em comoção
enchiam
mãos de revolução

era ela
a luta
sangrando
no papel

era ela a poesia
sem regras
sem leis
sem quartel


O que, às paredes, confesso.

 
Autor
MarySSantos
 
Texto
Data
Leituras
425
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
45 pontos
9
6
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 28/05/2017 14:25  Atualizado: 28/05/2017 14:25
 Re: "dias de glória"
...sempre uma rebeldia em tuas mãos, parabéns. Gratidão por vê-la publicando.


Enviado por Tópico
Juanito
Publicado: 28/05/2017 15:28  Atualizado: 28/05/2017 15:28
Colaborador
Usuário desde: 26/12/2016
Localidade: España
Mensagens: 2662
 Re: "dias de glória"
Belíssimo, estimada poetisa!!
Meus parabéns!!
A poesia nunca se rende nem se deixa domar. Ela é eternamente revolucionaria!!
Abraço do teu fá.


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 28/05/2017 15:54  Atualizado: 28/05/2017 15:54
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12513
 Re: "dias de glória" P/MarySSantos
Uma bela poesia e esperemos que esses dias cheguem, adorei. beijinhos e saudade Vólena

As tantas rosas que os poderosos matem nunca conseguirão deter a primavera.

Che Guevara

Enviado por Tópico
martims
Publicado: 30/05/2017 17:43  Atualizado: 30/05/2017 17:43
Colaborador
Usuário desde: 12/08/2013
Localidade:
Mensagens: 6796
 Re: "dias de glória"
Minutos que se barbeia, tirando de sei um aquilo que esta nos queijos onde as faces choram um sentido, o amor grita para os nosso olhos

Enviado por Tópico
boxer
Publicado: 01/07/2017 17:18  Atualizado: 01/07/2017 17:18
Colaborador
Usuário desde: 21/01/2009
Localidade:
Mensagens: 721
 Re: "dias de glória"
A poesia não vai, de Eugénio de Andrade

A poesia não vai à missa,
não obedece ao sino da paróquia,
prefere atiçar os seus cães
às pernas de deus e dos cobradores
de impostos.
Língua de fogo do não,
caminho estreito
e surdo da abdicação, a poesia
é uma espécie de animal
no escuro recusando a mão
que o chama.
Animal solitário, às vezes
irónico, às vezes amável,
quase sempre paciente e sem piedade.
A poesia adora
andar descalça nas areias do verão.


Enviado por Tópico
FernandesAmorim
Publicado: 03/08/2018 03:33  Atualizado: 03/08/2018 03:33
Participativo
Usuário desde: 23/01/2014
Localidade: São Paulo
Mensagens: 29
 Re: "dias de glória"
sublime