https://www.poetris.com/
 
Prosas Poéticas : 

Construção verborrágica, uma sátira em prosa

 
As palavras fogem. Assim como os pensamentos, elas vagueiam no vento como fumaça escura. Volta e meia, tomam forma. Volta. E meia. Certa vez, vislumbrei uma alface na fumaça contra a luz. Na fumaça do cigarro contra a luz. Na fumaça do cigarro contra a luz da televisão. Era uma folha de alface tão bonita. Sabia que existem mais de sete tipos de alface cultivados no Brasil? Algumas delas nem são verdes. Me disseram uma vez. Eu sei que só conheço um. Nunca gostei de alface. Não tem gosto de nada. Uma senhora que vendia verduras na feira de domingo uma vez me disse: "Tudo o que é verde é bom!". Eu, que tinha uma parede verde na minha sala. Que seria pintada naquele dia. Não sei porque. Só queria mudar a cor. Talvez pintar de branco. Mas eu nem gosto de branco. Prefiro preto. Sabia que preto não é cor? É ausência. O quê? Ausência. De cor. Enfim, naquele dia eu acabei economizando o dinheiro da pintura na parede. Essas tintas são caras sabia? Acabei comprando um monte de verdura. Fiz uma salada com todas elas. E a comi sentado na minha poltrona de couro preta. Com manteiga. De frente para a parede verde. Tava aqui pensando. Nessa coisa de ausência, sabe. É curioso como a falta define algumas certezas. Você só percebe que não precisa mais de papel higiênico quando ele acaba, por exemplo. A propósito, quando foi que substituíram os bidês pelos chuveirinhos? Eu entendo as palavras. Essa coisa da fuga e tudo mais. Embora não saiba usá-las de maneira adequada. Eu as entendo. É como se nós precisássemos de um pouco de aleatoriedade para criar alguma forma. E algum sentido de vez em quando. Ta aí uma analogia interessante.


Joe.

 
Autor
JoeWeirdo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
265
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 02/06/2017 13:29  Atualizado: 03/06/2017 05:13
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1576
 Re: Construção verborrágica, uma sátira em prosa
Podia ser também verborreica...
Texto com muito humor.
E sim, a ausência define-nos muito, assim o preto é uma ausência de cor. Por um lado, nós é que crescemos com a ideia errada do que o lápis preto é dessa cor. Ou não-cor.
Assim como a ausência da pessoa amada define a pessoa que ama: vazio, tristeza, falta (outra ausência) de sentido para a vida.
Acerca da alface tenho posição diversa. Como sempre, e permite-me explorar os temperos: sal e azeite (o que uso mais), ao uso da maionese, ou o mais saudável iogurte.
Pintar a parede de ausência era bonito de se ver...
Gostei da comparação com o papel higiénico, chocante qb, e fez-me lembrar dum ditado chinês: "um homem queixou-se de andar descalço até que viu no chão um outro que não tinha pés".
Tu até usas bem as palavras...

Abraço


Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 02/06/2017 22:53  Atualizado: 02/06/2017 22:53
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 15068
 Re: Construção verborrágica, uma sátira em prosa
Prosa intrigante, envolvente, para se refletir. Lembrou-me aquelas crônicas de Fernando Sabino, Ruben Braga, Drummond, que eu gostava tanto de ler na minha adolescência. Foi com prazer que li cada linha. Obrigado pelo momento. Abraços!