https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Esperança : 

AH, UMA LÁGRIMA!

 
AH, UMA LÁGRIMA!

Tem vezes que não sei aonde
buscar certas forças
com que levar tanto avante
Dia e noite até ao adormecer.

O sono é sinuoso e confuso
por emaranhado estorvo
passa as noites sem dormir
de um a outro lado da cama.

Lençóis amarrotados
são bem a imagem de meu
corpo desarrumado
onde alma alguma converge.

E na madrugada cansada
levanto-me para logo cair tonto
no chão (nem a imaginação
mais fértil, chegaria tão longe!).

De joelhos dobrados
Agarrando-me a uma das pontas
Da cama, é no esforço
que me sustenho de pé.

Cambaleante caminho
leva-me ao quarto de banho;
Onde mergulho
a cabeça, na água invernosa.

Acordo! Desfaço a barba!
E tomo meu banho costumeiro.
As ideias sobrepostas,
Vão-se organizando – caminho;

E já na cozinha preparo
as torradas, enquanto leio
as notícias no jornal
da manhã. Como com apetite.

Chove lá fora. Porque não,
Ah, uma lágrima minha?
A chuva que discorre na rua?
Talvez assim merecido descanso.

Jorge Humberto
15/10/18

Saudade de todos, aqui no 'Luso Poemas'.

Acontecem-nos coisas em que somos muito precisos, mas não olvidei este "Cantinho" que muito aprecio. Obrigado por se encontrarem todos por aqui.

Cumprimentos, do amigo,
Jorge Humberto
 
Autor
jorgehumberto
 
Texto
Data
Leituras
1885
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.