https://www.poetris.com/
Poemas : 

ALMA RUBI

 



Foi um amor juvenil,
daqueles de reflexos
em pedra bruta;
que deslumbra,
que perpassa no tempo,
mas não passa do momento,
nem da falha memória minha.

Devotamento solitário.

Ficar pensando;
‘De como tu serias hoje’
se a morte, má, e
tão sorrateira,
não te ceifasse
tão prematuramente...

Consumiu teu sangue,
fonte mais vital...

Ainda era menino,
incrédulo da existência da morte...
Senti tua ausência.
Consumi-me, amuei-me.
Nevoou o meu olhar.
Loucura de querer,
correr, sumir, também morrer... Ir.

Pensei, pensei...
Medrei-me.
Depois chorei.

Lembrei-me
do inesquecível bem estar
de acariciar sob o luar
o veludo das tuas faces,
alvas; tez de biscuit.

Lembranças...

Ficaste em fotografia,
emoldurada pela minha alma,
e que a saudade não desfez.

Esta no meu peito eternizada,
cópia fiel do teu semblante,
ainda numa incrível nitidez...

 
Autor
ZESILVEIRADOBRASIL
 
Texto
Data
Leituras
96
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 07/12/2018 01:03  Atualizado: 07/12/2018 01:03
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9091
 Re: ALMA RUBI
Boa noite ZESILVEIRADOBRASIL, é bom te ver por aqui novamente depois de tamanho hiato das tuas publicações, no mais os teus versos enredam um personagem lidando como sabe com a sensação de ser alvo eminente da morte, desde o momento que que foi parido, isto o aflige em certa medida, mas também o alivia por não saber eterno em momentos de aborrecimentos com a sua vida, parabéns pelo vosso incisivo poema, um abraço, MJ.