https://www.poetris.com/
Poemas : 

ÍNDIO

 
INDIO

Sangra minha ferida aberta
Tingida de ouro e relva.
Que te importa minha vida e meus costumes
Se meu chão forrado de verde
Esconde tesouros que nada são?
Vã sociedade de excluídos
Que pensam no topo
Onde nunca chegarão.
Suas mãos manchadas de escarlate
Para sempre marcadas
Te escravizarão ao lodo
De onde nunca sairão.
Sangra minha ferida
E minha alma de povo da Terra.
Meu túmulo é minha floresta
A quem caberá a vingança...
Nada será em vão.
(Proteus).


 
Autor
PROTEUS
Autor
 
Texto
Data
Leituras
67
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.