https://www.poetris.com/
Sonetos : 

PAÇO DA GRÃ-VENTURA

 
Tags:  SONETOS 1995  
 
PAÇO DA GRÃ-VENTURA

Muito distante já - no tempo e no espaço- - 
Vejo a felicidade que foi minha: 
Fugaz luzia… Débil estrelinha 
Bem cerca do pináculo do Paço!…

Ínvias trilhas seguindo sem cansaço, 
Certo que a minha estrela se avizinha. 
Falaz luzia… Em falso me sustinha 
Ao longo do caminho, passo a passo.

Luzia à primeira e vera primavera… 
Quando a felicidade era a procura 
E à procura da estrela eu feliz era.

Mas anos-luz do Paço a Grã-Ventura! 
Eu estou onde estava a estrela outr'era. 
E ela, mais longe luz na noite escura…

Betim - 02 05 1995


Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
45
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.