https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Era de madrugada quando ma deste

 
Há muito
muito
deste-me a Saudade.

De pessoas,
das rochas quando fui vaga,
da chuva quando fui deserto,
de beijos…

De tudo quanto fui perdendo
no caminho.

Lembro-lhes o gosto,
a sombra,
o gesto,
o grito,
de o ter sentido na pele,
e de que não me esqueço, e com a qual
me aqueço.

Era de madrugada quando ma deste,
a saudade,
coroa
da melancolia.

E desde então,
ainda que ela vigie todos os meus passos,
me guarde no seu peito,
procuro-a,

persigo a sua voz.



Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
342
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
21 pontos
3
1
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 09/05/2019 14:46  Atualizado: 09/05/2019 14:46
 Re: Era de madrugada quando ma deste
Gosto da palavra saudade. Gosto de sentir saudade. “De tudo quanto fui perdendo no caminho”. Direi também“ganhando”. Perdi tanto. E ganhei tanto. Sobram pedras. Sobra a chuva. Sobra o mel. Sobra a dor e o calor. E a necessidade de encontrar um refúgio, um aconchego. Reinvento o presente, recrio o real. Aglutino nomes antigos. Para que as palavras não envelheçam.
Gosto muito deste teu poema. E é por isso que estou aqui. Obrigada.

Enviado por Tópico
Carlos Ricardo
Publicado: 10/05/2019 13:18  Atualizado: 10/05/2019 13:26
Colaborador
Usuário desde: 28/12/2007
Localidade: Penafiel
Mensagens: 1986
 Re: Era de madrugada quando ma deste
É um poema carregado do enigma da saudade ser casada com a tristeza do mesmo modo que a vida é casada com a morte, numa relação alegre porque erótica, triste, porque de combustão inexorável de impossíveis que não nos deixam em paz.
A expressão matar saudades não é menos difícil de entender mas, como tudo o que é vivo, as saudades morrem e, com toda a impunidade, pode-se matá-las. Já matei muitas saudades, sem querer.

Enviado por Tópico
Margô_T
Publicado: 27/05/2020 10:20  Atualizado: 27/05/2020 10:20
Da casa!
Usuário desde: 27/06/2016
Localidade: Lisboa
Mensagens: 309
 Re: Era de madrugada quando ma deste
Gosto particularmente do ritmo-embalo deste poema: um ritmo que flui e que vai trazendo as memórias-saudades como vagas, sendo que as próprias estrofes se assemelham a essas vagas pelo seu grafismo curto e variado e, também, pelo que contam.
Destaco este trecho:
“das rochas quando fui vaga,
da chuva quando fui deserto,”

que sobressai pelas imagens poéticas que provoca.
Como vaga, embatemos nas rochas e essas rochas fazem-nos vibrar de um modo diferente porque nos contrariam o movimento inicial, porque nos amortecem. Também as pessoas com que lidamos nos levam a alterar o nosso próprio ritmo, a cedermos parte da nossa Natureza ou, até, a obrigar-nos a uma (nova) forma de afirmação, como um rebentar de uma onda.
Já a imagem do deserto é mais expectável mas, ainda assim, bela. Desejamos a chuva quando a água nos falta, quando nos sentimos ressequidos, quando a fluidez e continuidade das coisas dá lugar a uma aparente pasmaceira desértica, onde tudo se mantém mais ou menos igual. Porque é no fluir que nos alteramos, e porque é no fluir que a vida se tece de fase em fase. A estagnação está mais próxima da morte do que da vida.

Gosto, também, desta sequência variada (e do seu vaga-ritmo):
“Lembro-lhes o gosto,
a sombra,
o gesto,
o grito,”

Bjs