https://www.poetris.com/
Poemas : 

no futuro do indicativo

 
Encontrarás

uns tantos, uns pouco,
alguns
que procurem o sopro em cada esquina,
cantem
a tabuada salteada.

Vários
verás

à mão de semear, ao pé da letra,
ali,
escutando esse assédio de boca
em boca,
a voz em desatino, destino.

Terás

o estio de agosto no peito,
armas como canteiro,
rugidos das feras
que urgem
em ti.

Serás
o que sempre foste,

o sorriso na escuridão,
a sombra que pede a luz,
o fio-de-prumo no fumo,
a labareda viva do lume
o perfume que não se mede.



A minha pátria é a língua portuguesa.
Bernardo Soares

Saibam que agradeço todos os comentários, de coração...
Por regra não respondo.



 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
122
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
21 pontos
1
2
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
RoqueSilveira
Publicado: 08/08/2019 09:25  Atualizado: 08/08/2019 09:25
Colaborador
Usuário desde: 31/03/2008
Localidade: Braga
Mensagens: 8223
 Re: no futuro do indicativo
Olá, venho agradecer e retribuir o comentário no meu poema ampulheta, não tanto pelo elogio mas pelo escalpelizar do sentido e da construção. Realmente embora não pense demais na construção tento dar sentido através dela ao conteúdo.
Então analizando este teu poema começo por Di, er que gostei muito da última estrofe. As imagens são belíssimas na sua finalidade, dizer da luta da vida. Mas entendo que o homem é mesmo assim, na sua maioria vive em bolhas e não conseguem sair desse seu destino. Não sei se interpretei bem, é a minha.
Quanto às palavras usadas notei ali um gerundio que se calhar não usava. Quanto a mim gerundio indica uma acção mais prolongada no tempo, como quando alguém passa passando. Assim como a diferença entre escutar e ouvir. Embora eu não trocasse a sonoridade do escutando por ouvindo.
Pronto, aqui fica uma opinião ressaltando que gosto do que escreves, sempre muito interessante. Obrigada