https://www.poetris.com/
Poemas : 

ALMA DESNUDA

 
A alma despiu-se do corpo e singrou o espaço...

Trôpega, lambuzou-se nas nuvens químicas,
Repletas de substâncias extraídas da poluição.

Estava embriagada pela fosforescência do céu
E inconscientemente perdida dentre os astros
Que bebiam do álcool, o etílico aroma da solidão.

Circulou sem destino e, nômade, enxergou a Lua
Onde se deitou a fim de que seu brilho extirpasse
O nauseabundo odor que perpetrava na atmosfera
O suculento licor de uma vida mística e apoteótica.

Pondo-se de pé, entendeu que ainda cambaleava.
Deu alguns passos adiante e retrocedeu furiosa,
Pois imaginava ganhar do mundo a sua liberdade,
Entretanto em cada passo que dava se via tonta...
Percebeu que viver é uma cachaça de saudade!



DE Ivan de Oliveira Melo

 
Autor
imelo10
Autor
 
Texto
Data
Leituras
100
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Carii
Publicado: 01/04/2020 10:32  Atualizado: 01/04/2020 10:32
Colaborador
Usuário desde: 28/11/2017
Localidade:
Mensagens: 1935
 Re: ALMA DESNUDA
Um brinde á vida, que nos seus tropeções...nos vai guiando... gostei muito bonito!