https://www.poetris.com/
Prosas Poéticas : 

Embargo

 

Era meu número, era perfeito
Morri de amores por ele, levei o...
Com os meses começou a castigar-me
Havia um espinho preso no solado
Fazia-me sangrar, doía, incomodava-me
Sentei, avaliei o estrago
Consegui retirá-lo(o espinho) e segui calçada...

Assim são os relacionamentos

Ninguém é sapato, mas as pessoas encaixam-se, completam-se. A convivência não é fácil.
Podem surgir espinhos ou pedras no caminho:
uma sogra que não respeita o espaço do casal,
pessoas do passado que não sabem se manter no seu quadrado.
Essas situações incomodam, são desagradáveis, principalmente quando um dos dois resolve se comportar como um sapato. Quem comporta-se como um ser inanimado corre o risco de ser dispensado e ir parar na lata de lixo como um sapato arrombado.
Deve-se sempre ouvir, agir, atender ao apelo do parceiro que se sente afetado. Atitudes e sábias palavras são capazes de livrar todos os envolvidos de embaraços.

Ele não é um sapato(nunca será)
É um homem íntegro e sabe me escutar
Ele tem atitude, não mede esforços...
Quando surgem pedras ou espinhos
Afasta de nós todos os obstáculos
É um homem confiável e por mim amado!


Janna



 
Autor
Jmattos
Autor
 
Texto
Data
Leituras
105
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
7 pontos
3
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 21/05/2020 11:21  Atualizado: 21/05/2020 11:21
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade: Algures em Portugal
Mensagens: 3021
 Re: Embargo


A vida é feita de espinhos escondidos
mas o amor faz-nos ver ver para lá dos espinhos
A convivência nem sempre é fácil
mas temos de ter fé e esperança
somos imperfeitos em fim....

amei a música

🌺

beijos poetisa Janna


Enviado por Tópico
Maryjun
Publicado: 25/05/2020 00:48  Atualizado: 25/05/2020 00:48
Membro de honra
Usuário desde: 30/01/2014
Localidade: São Paulo
Mensagens: 6663
 Re: Embargo
Boa noite, Janna,
Quanta verdade, nesta prosa. Parabéns!

Beijos,
Mary Jun
Open in new window