https://www.poetris.com/
Poemas : 

Apocalipse 27

 
Open in new window

O céu segue coberto de infausto cinza enquanto a tarde se vai
O estilar de chuvas negras há muito habita este árduo parcel
Dos antigos sonhos cativos na luz, só restam remotos signos
Nos galhos secos do arvoredo já não lhe pousam os pássaros
A ausência também se despenha, sorrateira no amargo do fel
No espelho baço da memória que exprime uma réstia de dor
Da ave caída, da paixão esquecida e da solidão que precipita

Não há lembranças a abrigar, que se foram daqui uma a uma
Logo virá o silêncio, as linhas em branco e o espelho partido
E, quando se for o poema, morrer-lhe-á aí o solitário coração
Não haverá remotos vestígios dessa vida que um dia se viveu
Sobrará o tempo de vozes caladas, estremecidas. Desventura.
Chegará enfim ao sono que nenhuma pálpebra poderá ocultar
Sob um sol de mistério, sem azuis celestes e sem alvas nuvens


Dor e angústia protagonizam o show
Quando a noite vem, a mágica se faz
Nasce o poema das entranhas feridas
Então, abro as asas e voo ao infinito.



 
Autor
Mr.Sergius
 
Texto
Data
Leituras
28
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.