https://www.poetris.com/
Poemas : 

AR-201212

 
.
.
.
Tão intensa e lancinante é a dor,
que, alheio, em pontas de pés, se
faz subir ao cume, rasgar nuvens
com os dedos e trêmular as mãos...
Só átimos após, lentamente, se podia tocar com a alma o celeste céu...
Retornar ao sopé a paz de nascente,
de onde corre entre lisos seixos num marulhar qual canção de acalanto...
Calmaria de regato até que a próxima intervenção advenha!... Esquecimento!
Até lá, conforta lembrar os cantos dos búzios, dos canteiros de myosótis, das tardes vagabundeadas pelo cais de pedras enquanto lenta a recuperação...
Olhar turvo perde o veleiro após dobrar o talha-mar, onde dobram também as lágrimas!

 
Autor
ZESILVEIRADOBRASIL
 
Texto
Data
Leituras
196
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
4
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 13/12/2020 22:43  Atualizado: 13/12/2020 22:43
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 17197
 Re: AR-201212
Poeta
A dor irá passar! Pense em tudo de bom que irá fazer quando melhorar!
Belo poema!
Abraço!
Janna


Enviado por Tópico
Srimilton
Publicado: 12/05/2021 02:47  Atualizado: 12/05/2021 02:47
Colaborador
Usuário desde: 15/02/2013
Localidade: Nenhuma
Mensagens: 1874
 Re: AR-201212
Zesil, sua escrita está mais firme, mais segura, mais decidida, mais bonita. Bacana, mesmo!...